A Região Selvagem


Não devia ser surpresa. Não depois de HELI, SANGRE e LOS BASTARDOS, mas o choque entre a beleza e a violência de LA REGIÓN SALVAJE emudece a plateia. Talvez pela síntese de seus filmes anteriores, os corpos nus, o sexo visceral, a violência desesperada… talvez pelo grotesco dessas notícias populares que se reproduzem em dois contos, duas mulheres… esses são os ingredientes de um diretor que gosta de se colocar na margem da sociedade – dos trabalhadores, dos ilegais, dos coitados – apenas pelo prazer de vê-los vender sua alma ao diabo. Ou então, uma força sobrenatural do qual não se pode resistir, ame ou deixe, esteja em paz ou em ira.

De uma região onde existem fortes valores familiares, também a hipocrisia, a homofobia e o machismo. De um lugar fervorosamente católico, Amat Escalante novamente filma os instintos mais básicos, mais animalescos. E, ali, SOB A PELE, seu filme se restringe a comer, defecar e reproduzir. Nada além disso. O sexo é uma recompensa por essa existência, pelo martírio. Para os protagonistas que sobrevivem essa região. Para o público que presencia essa selvageria. Não há escolhas. Nenhuma concessão.

Ok, talvez um pouco… Ali, nas matas próximas, dentro de uma cabana isolada, habita um segredo. Talvez o escapismo, um rascunho ou a personificação da realidade bruta. Ali, se experimenta o prazer mais intenso, física e mentalmente. Ali, está a fonte de todas as necessidades corporais, as vontades, os desejos e os impulsos. De certa forma sensual e atraente, mas, ao mesmo tempo grotesco e sujo.

Não é um filme fácil. Não pretende ser. Seco e cruel, a história se torna ainda mais intolerável pela beleza e ritmo com os quais são filmadas. É a essência da maldade, a realidade do medo, o mundano intransigente, os estupros, os enforcamentos, os socos. Tudo natural. Tudo simples. Não é pouco. Apenas insuportável.

(*) Crônica livremente inspirada do material cedido pela The Match Factory, incluindo as notas do diretor
RATING: N/T

TRAILER

TRAILER INDISPONÍVEL


Article Categories:
TIFF · VENEZA · RIO · PREVIEW

Comments

  • A Região selvagem é intrigante e estranho ao mesmo tempo. A busca dos personagens por um sentido em suas existências, por alguma sensação que ocupe o vazio de seus corações os leva ao ser alienígena, curiosamente aliciado por um casal que oferece acesso a quem quiser ser “iniciado” nesse contato imediato de 3º grau. Soa como se fosse uma comunidade esotérica, onde a fonte de êxtase físico e acensão espiritual vem de uma criatura extra-mundo/dimensões. Mas tudo em excesso pode ser perigoso e mortal, evidente nas relações tóxicas entre os personagens e também entre eles e o ser.
    A única personagem que parece se beneficiar dessa interação inusitada é Alejandra, pois sua vida gira em torno dos filhos, seu único vínculo com um mundo insípido ao seu redor, ocupando sua mente e coração. Então sua busca pela criatura se dá ao nível físico, ausente de prazer e afeição que o marido não pode suprir.

    Daniela Míriam Lopes Pereira 6 de março de 2020 20:49 Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.