Les Promesses

De novo um “suspense” político, novamente um filme de grande elenco, essAS PROMESSAS de Thomas Kruithof que, como outrora em MECÂNICA DAS SOMBRAS (2016), aborda os bastidores das eleições, uma narrativa enxuta feita sobre o que se suspeita ser um orçamento enxuto, que abre em passos altos, uma Isabelle Huppert decidida, a trilha tonitruante, todos os conchavos, os apertos de mão, sorrisos e “house of cards” das artimanhas do poder para, então, nos colocar na verdadeira trama: a especulação em torno de 823 moradias em 8 blocos de subúrbio, uma área decadente de 6,5 hectares, 647.300 toneladas de concreto, senão um projeto de 63 milhões para revitalização de uma região que, sabe-se é promessa de campanha e, principalmente, diferencial de voto para a vitória do partido.

O filme é meio atual, nos remete à um subgênero que vem se popularizando no cinema francês, o favela-movie (ou “le film de taudis” para ficar chique) que começou lá na Palma de Jacques Audiard (DHEEPAN: O REFÚGIO) e se estende por OS MISERÁVEIS (Ladj Ly), EDIFÍCIO GAGARINE (Fanny Liatard & Jérémy Trouilh), recentemente em MES FRÈRES ET MOI (Yohan Manca), agora nesse, o subúrbio usado como pano de fundo ou moeda política para se galgar cargos: um conjunto habitacional em implacável processo de insalubridade, pobreza, miséria, falência e inadimplência do estado e cuja tragédia não se justifica os aumentos excessivos e injustificados nas taxas de condomínio. O administrador jurídico se recusa a se comunicar por telefone, carta, e-mail e ao invés de equilibrar as contas e manter o prédio, se empanturra com a carcaça da besta. Enquanto isso, a máfia se apodera dos ossos, realocando os apartamentos-cortiço para dezenas de refugiados. A tal “promessa” do título é um plano de resgate e renovação, donde o estado compraria 68% para habitação social dos mais pobres e os outros 32% dos proprietários restantes, solventes e confiáveis (mas desesperados) assumiriam as taxas (e manutenção) predial. O imbróglio fica justamente com esses, que se recusam a pagar (mais) diante da calamidade. Nisso reside o argumento do longa: um lento trabalho de convencimento dos moradores de um lado, a negociação incessante pelas verbas federais do outro, uma corrida contra o tempo (para afinal o thriller), já que o mandato de Isabelle Huppert terminará e as eleições estão próximas.

Para o diretor, é a clássica história sobre indivíduos lutando contra um sistema, essa também estilhaçada nas subtramas de Reda Kateb e Jean-Paul Bordes, mas donde os holofotes estão – sem dúvida – sobre Huppert, ela determinada em cumprir as promessas com seus eleitores, sua sucessora no cargo (Naidra Ayadi), os desejos do seu partido; ela entre a fé política e uma provável ambição, assim diante dos pontos mais extremos na carreira de um político: ser prefeita e ministra. Não só isso: enfrentar esse upgrade, indo de um extremo ao outro, sem passar pelos caminhos e posições intermediárias, mas em detrimento justamente de suas próprias promessas eleitorais e o futuro de sua cidade. Um gestor poderia questionar tudo por sua ambição? E o filme vai além para discutir o quão distantes estão os políticos dos cidadãos: Em que medida as ações políticas dos nossos representantes estão em sintonia com as necessidades do povo? Em que medida a ação dos políticos é pautada pela partilha de um horizonte social, ou quanto apenas por escolhas pessoais que satisfaçam as necessidades de uma carreira política? Thomas Kruithof tenta respondê-las. Seu filme em si, uma promessa que se perde aos poucos na burocracia. Lembra um tanto de JOGO DE PODER, de Costa-Gavras, outro filme correto, e só.

RATING: 67/100

TRAILER

Article Categories:
REVIEW · VENEZA

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.