The Macaluso Sisters

[O TEXTO CONTÉM SPOILERS]

O conto das irmãs Macaluso é “ADORAVEIS MULHERES” em Palermo, um cinema de três capítulos, a infância, a idade adulta e a velhice de cinco irmãs nascidas e criadas em apartamento, e donde a própria casa, como um sexto personagem, nos conta a passagem do tempo, o ruminar da história dessas mulheres, de uma família, das que partem, das que ficam e das que resistem. A projeção prossegue, e vemos as irmãs crescendo, fazendo os mesmos gestos, usando os mesmos itens da mesma maneira. E o tempo se percebe por tais objetos, os cacos de alguns pratos colados, o chão riscado de tanto andar, a lasca na cuba da cozinha, a maçaneta da janela que insiste em soltar na mão, mas ninguém se preocupa em consertar. Emma Dante, como boa italiana, filma esse cotidiano “tutto in famiglia”, a mesma poltrona, na mesma sala, durante os anos, as personagens sempre ao redor, rindo, chorando, discutindo. Umas envelhecendo, outras não.

Enquanto houver casa, a presença das irmãs permanece. Em um lugar onde não se pode metabolizar a morte, não se pode encontrar uma maneira de fazer algo com ela, não se sabe onde “colocá-la”, então ali elas ficam, primeiro a caçula ainda criança, depois a primogênita já adulta, as vivas e “as mortas” vivendo sob o mesmo teto em distração estratégica, um esquecimento e lembrança, um não perceber o que deveria ser feito. O resultado é visto com o tempo. Não é fulminante. É lento e progressivo como uma doce saudade com o qual se aprende conviver.

Como em SOMBRAS DA VIDA, de David Lowery, este filme também não é sobre fantasmas, as aparições que surgem para nos assombrar, mas sim sobre presenças que permanecem, que nunca saíram de cena, como o lustre da sala até alguém lhe arrancar do teto. Desde o começo, a casa está cheia de objetos obtusamente resistentes; objetos construídos pelos mortos e pertencentes aos mortos que provavelmente sobrevivem aos vivos. Como o lustre, a mesa, a cama de casal, a janela, até as irmãs Macaluso são obtusamente resistentes.

Sim, um filme sobre o tempo. Na memória. Sobre coisas que duram, que envelhecem. O olhar da câmera é extremamente dinâmico para acompanhar os movimentos das protagonistas, mas também fixo dentro de casa, como se fosse os próprios olhos desse personagem inanimado. Este “look da casa”, recorrente várias vezes, torna-se particularmente evidente e reconhecível ao público. Ainda mais evidente é a existência deste olhar nas cenas em que as irmãs estão fora de casa ou do enquadramento, sinal de que os olhos não se fecham mesmo na ausência dos inquilinos. A câmera, então, examina obsessivamente objetos, corpos e movimentos, devolvendo vida à evolução da vida. A cena final é exemplar nesse sentido, quando a câmera, posicionada no mesmo ponto de sempre, entrega ao espectador a imagem da casa despojada e esfolada pelo afastamento dos objetos que ali viviam e pela saída das irmãs. A morte, portanto, só entra realmente em cena quando os objetos são “retirados” de seu contexto e as irmãs abandonam definitivamente o lar. E talvez essa seja a alma desse filme: a força vital da memória. É o amor das irmãs uma pela outra e por esta casa que mantém viva toda a sua existência como se fosse um único organismo vivo, independentemente da morte física de algumas delas; é a quebra, o desmembramento, o esvaziamento, o despojamento desse organismo vivo que determina sua morte.

(*) Crônica livremente inspirada do material cedido pela Teodora Film, incluso notas de produção
RATING: N/T

TRAILER

Article Categories:
VENEZA · PREVIEW

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.