Victoria & Abdul

VICTORIA & ABDUL
BANNER-RIO-17


Vinte anos depois de SUA MAJESTADE, MRS. BROWN, Judi Dench retorna ao papel da Rainha Victoria, isso aos olhos de Stephen Frears (A RAINHA) e no coração de Abdul. Então, na tela, vemos uma história – Verdadeira? Extraordinária? – da amizade entre a vossa alteza e um jovem mulçumano, que seria seu servo, mas torna-se o secretário e, finalmente, seu mestre espiritual. E desse improvável relacionamento, que choca a corte e repercute na própria família, eis, portanto, uma comedia de época, que explora a raça e a religião, o poder e a farsa do Império, de ontem, de hoje.

Também, um filme convencional, imerso em ambiente suntuoso, paisagens épicas e fantasias elegantes, que versa sobre as diferentes classes e gerações, filmado como um conto de fadas, um episódio de Downton Abbey, o público rindo e depois chorando conforme o roteiro, não tão inspirado, mas irreverente o suficiente para Judi Dench brilhar conforme o protocolo. Ela, uma matriarca de 83 anos, há quase 63 no trono, milhões e milhões para governar, ali, presa em convenções e etiquetas, tantos amigos, família, pessoas e parasitas, para, de repente, conhecer Abdul, sofrer uma injeção de juventude e entusiasmo, se encantar com a vida, aprender urdu e ler o Alcorão. E esse rejuvenescimento é, de certa forma, o filme de Stephen Frears, a “veia rebelde” que diverte (um pouco) e se encaixa perfeitamente com as qualidades sutis e subversivas da atriz.

Uma história que percorre o mundo, primeiro na Índia – com Abdul e Mohammed – depois o Castelo de Windsor e então a Escócia. Há uma pequena visita em Florença e, em seguida, todo o resto na casa de Osborne. Cada lugar com uma arquitetura e atmosfera diferentes. Um cinema que transita do gótico escuro de Windsor para o mediterrâneo de Osborne, sim, um cenário magnifico, ricamente reconstituído em cada detalhe e pormenor, pena que o filme seja só isso: Nostalgia e inercia. E, claro, Judi Dench.

(*) Crônica livremente inspirada do material cedido pela Focus Features, incluindo Notas de Produção
RATING: 65/100

TRAILER

Article Categories:
FILMES · RIO · TIFF · VENEZA

Deixe uma resposta