Happy End

HAPPY END


É de Michael Haneke, mas poderia ser feito por qualquer um… O snapchat da mãe se preparando para dormir, foi gravado por uma menina de 13 anos. O pequeno vídeo-experimento do hamster ingerindo os ansiolíticos da mãe até ficar em completa dormência, é da mesma menina. A gravação da mãe na cozinha, imersa em sua bolha de depressão e desespero, sabemos, é da garota. Os créditos que intercalam cada snap apenas corrigem um pequeno erro. É de Haneke, mesmo. Não duvidem. HAPPY END.

Ou não. O final fica em aberto. O filme também. É comédia? É drama? Não sabemos. “Ao redor de nós, o mundo, e nós, no meio dele, cegos”. E as dúvidas só crescem com a projeção, com o discreto charme dessa família burguesa, suas mentiras, os infortúnios. Estamos cegos nesse mundo e cada personagem também o é. Todos são indiferentes. Tudo é descartável. Uma casa. Uma vida. Alguém… não importa. Os vídeos são da menina, mas é Haneke que filma. Do nada, do mais comum, ele cria um acidente de proporções catastróficas. Nos insere nessa família que almoça e janta juntos, mas pouco se falam porque não existe assunto ou qualquer empatia. Na mesa, os membros da família Lawrence, herdeiros de uma empresa de construção em Calais apenas se entreolham. Cadê o AMOR? Não existe.

Jean-Louis Trintignant é o patriarca. Por amor, ele sufocou sua esposa doente terminal. Isabelle Huppert é a filha, uma mulher de negócios, mas também a mãe desesperada de uma garoto-problema com alcoolismo. Mathieu Kassovitz é o outro filho, um médico que se tornou pai pela segunda vez com sua nova esposa. Fantine Harduin é a garota do snap. Sua mãe está morta. E é dessa happy family, que Haneke filma a erosão, cria o suspense, toda a tensão, as tentativas de suicídio do avô, a vida amorosa do pai, os medos e os vídeos da neta. E os refugiados? Ora só, ADIVINHE QUEM VEM PARA JANTAR… uma ideia que vale um final, um pôster (CACHÉ?) e outro vídeo da garota diante do mar. HAPPY END. Ou não.

RATING: 83/100

TRAILER

Article Categories:
CANNES · MOSTRA SP · REVIEW · SAN SEBASTIAN · TIFF

Deixe uma resposta