O Poderoso Chefinho

THE BOSS BABY

Sim, existe amor suficiente no mundo: Para dividir entre bebês e filhotinhos, pais e filhos, dois irmãos… Cabe nele muitos abraços, algumas histórias e uma canção. E certamente um pouco para esse filme, O PODEROSO CHEFINHO, que nos arrebata de fofura, de bebês rechonchudos, bochechas rosadas, chupetas e mamadeira, chorinho e talquinho. De uma grande aventura, bucaneira, épica; De um grande conto, moderno, contemporâneo; Vemos a jornada do herói. Do irmão. Do crescer. E é nesse desenho, disfarçado em doçura, em criancices, de um conto de crianças, para crianças, confesso, voltei ao tempo, aos meus irmãos, nossas confidências e molecagens, tantas memórias e fotos esquecidas. E isso se chama fraternidade. E é sobre o tema que a DreamWorks nos conta. Em família. Com amor.

Para educadores, vale pela didática nesse período difícil da infância, quando os pequenos, idos 5, 6, 7 anos, se deparam com a concorrência de um irmãozinho. Quando precisam dividir o quarto, os brinquedos, os beijos da mãe ou a atenção do pai. Na história da infância, não existe exemplo similar, exceto o conto de “Cachinhos Dourados e os Três Ursos” (Aquele, donde a família sai para passear e a menina – a irmã – surge do nada para comer do mingau e dormir na cama do pequeno. Isso porque a sopa e a cama do pai é fria e dura, a da mãe é quente e mole, mas a do ursinho é perfeita. E, assim temos a moral da historia, uma simbologia com o amor).

Para os pais, vale para entender como pensa seu filho diante de um novo irmão. Todos os dilemas, as responsabilidades de se tornar “o mais velho”. O filme flerta, inclusive, com o conceito de “Peter Pan”, das diferenças entre ser criança e adulto. E para os mais nostálgicos, há até uma (singela) homenagem aO PÁSSARO AZUL e um final que nos coloca dentro do cinema mudo porque, afinal, não há palavras para descrever esse sentimento, mesmo sendo cliché. Não importa, é irresistível. Os bebês, por seus encantos, também o são.

RATING: 67/100

TRAILER

Article Categories:
ANIMAMUNDI · FILMES

Deixe uma resposta