Ana, Mon Amour

ANA MON AMOUR


Toma conhece Ana enquanto estudam literatura na universidade. Ana tem um distúrbio neurótico e sofre de ataques de pânico. Toma a segue em cada canto escuro donde ela vai e se esconde. Ele luta com seus pais quando eles a rejeitam. Ele aceita ser pai e se casar com ela. Ele se torna sua babá, seu motorista, ela é tudo. Toma parece estar no controle do relacionamento, mas, na verdade, ele apenas gravita em torno de uma mulher que não pode entender, empurrando sua resistência até o limite, tentando salvá-la. Quando Ana finalmente supera seus medos e se adapta ao mundo exterior, Toma permanece sozinho, tentando juntar as peças do quebra-cabeça, tentando entender o redemoinho que atravessou.

E o que os ligava tão fortemente – amor ou dependência? Toma faz terapia. Calin Peter Netzer filma a psicanálise… E o que se vê é uma história sobre a luta de um homem para descobrir como o invisível, o não-dito, até o impensado moldaram sua vida. Então, vemos um drama romântico com um estudo de doença mental e como ele é superado. E tudo se desdobrando como um enigma complexo em torno das sessões no divã, a narrativa mergulhando no passado em uma série de flashbacks sustentados. As cenas de um casamento complexo que revelam numerosas conexões com as profundidades reprimidas e os tabus da sociedade romena.

Ao final, o filme não trata da erosão do relacionamento entre Toma e Ana, mas sim da impossibilidade real de construir corretamente um relacionamento. Os amantes se comportam como vasos comunicantes; Eles fluem de um para o outro com suas próprias necessidades não cumpridas. Eles estão profundamente envolvidos no que a psicanálise denomina transferência, senão o redirecionamento dos sentimentos e desejos para um novo objeto. A verdade sempre encontra uma maneira de sobreviver à sua negação. E aqui, tal verdade é doentia. Uma obsessão. Amor? Dependência? Difícil dizer…

(*) Crônica livremente inspirada do material promocional cedido pela Beta Cinema, incluso notas de produção
RATING: N/T

TRAILER

Article Categories:
BERLIM · PREVIEW · TIFF

Deixe uma resposta