O Bom Gigante Amigo

THE BFG

THE BFG (2016)No meio da noite, na hora das sombras, quando as crianças dormem em sono pesado, todas os seres do mundo se levantam e saem para zanzar pelas ruas… E é isso que Sophie pensa, acredita e nos conta. Uma garotinha de 10 anos dentre tantas outras que dormem, sonhos e mais sonhos, enquanto essa se arrisca e sassarica pela escuridão, talvez um pouco de aventura, olhar pela janela, uma sombra, um gigante. Um bom gigante. Um gigante amigo. E, então, era uma vez um (novo) mundo de faz de conta, à semelhança do País das Maravilhas, de Nárnia, da Terra do Nunca ou de tantos outros, mas aqui um pouco maior, porque vive esse BOM GIGANTE AMIGO e é ali donde os sonhos são fabricados. Um filme de encanto. Disney em essência.

De Roald Dahl, o autor, já vimos a imaginação se manifestar em CHARLIE E A FABRICA DE CHOCOLATE, JAMES E O PÊSSEGO GIGANTE, GREMLINS e MATILDA, mas nunca nesse gigante projeto e jamais no cinema. Na tela, a habilidade de combinar fantasia com uma pitada de medo, num lugar especifico para crianças, com heróis e vilões, seres extraordinários, lugares fabulosos, tudo desfolhado dos livros, e essencialmente o que é bom e o que é mau, e assim bem dividido porque nos contos de fada não existe outra combinação.

E ali, a história de duas almas solitárias, uma em busca da outra, cada qual criando seu lar nesse mundo, que é um dos temas preferidos de Steven Spielberg. E o faz no mesmo ritmo, linguagem e interação do livro original, os diálogos na própria elocução, tudo sob o abraço da Disney, o que permeia mais ainda esse folclore infantil. Mark Rylance é o gigante, seus movimentos muitos sutis, quase orquestrados, muitos twists e trava línguas. E ali se vive um sonho, e como tal, ele os fabrica, de terras distantes, com os elementos necessários, cozinhando história por história, sonho por sonho como um habilidoso alquimista. Spielberg, idem, embora não tão bem como outrora, com ET e INDIANA JONES. Apenas correto. Para ver e esquecer.

RATING: 66/100

TRAILER

Article Categories:
CANNES · FILMES

Deixe uma resposta