Os Campos Voltarão

TORNERANNO I PRATI
BANNER MOSTRA15H


OS CAMPOS VOLTARÃO, as memórias se vão, o livro é fechado. Ali, nas trevas, só nos resta o silêncio e a neve. Estamos enterrados na neve. Ao redor, um vale de pinheiros cobertos de neve. A guerra, os ataques, os canhões… Todos cobertos de neve, adormecidos pela lua e esse silêncio sepulcral. De repente, alguém canta para nos despertar. Esse é o surpreendente início. Bravo! Bravíssimo! A neve aplaude! Grita! Festeja! Depois adormece e novamente sobre a triste melodia do soldado, “agora ela dorme acompanhada pelos mortos”, e com eles, diante dessa música, a câmera percorrendo pelos soldados, o tédio da vigília e as fotos de cada ente querido de algum lugar, longe dali, vemos, de algum modo, a poesia de Ermanno Olmi, 84 anos, ele próprio um filho da guerra. E, sim, é a premonição de um grande cinema.

Nesse filme-refúgio, os homens estão com frio e febre. Cheios de culpa, eles rezam. E rezam sempre enquanto as estratégias são traçadas, a sopa requenta no pequeno fogareiro e o branco os engole na nevasca. Ali, nada se move, exceto os animais. Nem mesmo os soldados se movem, porque diante da lua, qualquer sombra será fuzilada. E é nessa cripta de madeira, o ar gelado, encharcado de medo, diante de uma eterna noite, que a vida de cada um se esvai, minuto a minuto, enquanto a projeção prossegue e as lágrimas congelam nas faces. Eles esperam. Nós esperamos. A raposa caça no campo sonolento.

Vez ou outra se sente a pólvora e, indiferentes, os soldados contam: 1… 2… 3… Eles mantém a cabeça ocupada porque não há nada mais o que se fazer, senão esperar. SEM NOVIDADES NO FRONT, senão a neve, o silencio, um fuzil que dispara. E contamos: 1… 2… 3… São tantos mortos, tanta culpa, vamos rezar para esse Deus que nos esqueceu: “Ó pai eterno, dê a eles o descanso eterno e que sua luz descanse sobre nós”. Que as tropas se retirem, os mortos sejam enterrados até a primavera, por esses bosques que, um dia, voltarão.

Pobres cães. Ali esperam apenas pelo correio, vivendo por essas cartas que se escreve e sobrevive, o ocaso ou talvez o destino lhes reservam viver nesse (im)posto da montanha, na neve, no silencio, o inimigo tão perto que se ouve a respiração. Tão novos e, de repente, tão velhos, nenhum significado além da juventude. Ali, muitos chegaram, muitos desejam voltar, mas vários encontrarão o abraço da morte, seu beijo frio na neve. Desse sofrimento, nada sobrevive. Tudo se esquece, “a guerra é um animal feio que se roda pelo mundo e nunca para”. Ela vem. Ela vai. Depois, os campos voltarão, e tudo se dissolve em memorias.

RATING: 84/100

TRAILER

Article Categories:
BERLIM · FILMES · MOSTRA SP

Deixe uma resposta