As Montanhas Se Separam

MOUNTAINS MAY DEPART


Velhos amigos são como as montanhas e os rios,
São imutáveis


Sob os fogos de artificio, a festa, a mudança, AS MONTANHAS SE SEPARAM em 1999, na China, e na virada do século, transita entre as décadas, pelo tempo, pelo espaço, adiante, até a Austrália de 2025. E nesse período, três personagens vivem seus (des)amores, a transformação, também esse cinema tão caro a Jia Zanghke, a tela se expandindo em escalas diferentes, as imagens se esgotando aos poucos… A cor, os tons, a textura, sinais de uma época, tudo indo do saturado ao mais clean, se desvanecendo, tão distante, como se pertencesse a outro mundo, algo perdido. Esquecido. Um abismo.

E, “together”, embarcamos por esse caminho, esse experimento de BOYHOOD, a relação de sentimentos ao longo do tempo, um triangulo amoroso que faz e se desfaz, amizades e desavenças, casamento e divorcio, saúde e doença. A China ao fundo, as montanhas levemente se movendo, o rio correndo, enquanto Jia vai filmando e, “together”, nos envolvendo com esse cinema, nesse drama e além, Go West.

Um tempo que se constrói em múltiplas camadas, muito rápido, cada episódio em um veículo – o carro, o trem, o helicóptero -, mas cada momento simplesmente único, como comer ravióli. Isso perdura por décadas e está presente em todas as historias. O filme viaja, de fato, em múltiplas paisagens, mas também há um ponto fixo, a pequena cidade de Fenyang, a cidade natal de Jia, que abriga o caráter da protagonista e seus raviólis. Foi ali, que o cineasta filmou pela primeira vez, afinal sua PLATAFORMA para o mundo. Ali, também, UM TOQUE DE PECADO, os amigos, a estética, a sociedade que muda e muda e muda e, “together”, “Go West”, porque não? à Austrália!

E, finalmente, o que é provavelmente o melhor do filme, de todos os três episódios, na cena mais gloriosa, vemos Zhao Tao, os raviólis, a neve, a paz, a música. O amor sobrevive… Nosso amor por tal arte sobrevive: Sim, ela ainda está sozinha… Mas, “together”, ouvimos a música. E é uma festa!

(Together) We will go our way
(Together) We will leave some day
(Together) Your hand in my hand
(Together) We will make our plan

(*) Crônica livremente inspirada do material cedido pela AD Vitam, incluso a entrevista de Jean Michel Frodon com Jia Zhangke
RATING: 86/100

TRAILER

BONUS TRACK

Article Categories:
CANNES · FILMES · SAN SEBASTIAN · TIFF

Deixe uma resposta