O Décimo Homem

EL REY DEL ONCE


Ao reino dos céus, o rei de “El Once” é, senão, Usher. Seu exercito é formado por voluntários, pessoas dando o máximo de si, sem qualquer contrapartida e, ali, para fazer o que deve ser feito. Parece lei. Talvez lógica. Quase um tabu. E por essa ortodoxa Fundação, as pessoas se encontram, vivem, lutam, não por qualquer coisa, mas por uma causa maior. A ajuda advém com a singularidade de cada indivíduo e disso surge a exata beneficência (material ou não) que o necessitado precisa. E é desse cativante cenário, que Daniel Burman se inspirou para filmar uma pequena comédia de erros, entre pai e filho, rei e príncipe, um interesse peculiar por aqueles que dedicaram sua vida pelos outros.

Não à toa, o filme seja essencialmente Usher, cuja historia por si só é um fato extraordinário. Nenhum ator foi capaz de encená-lo, então na tela temos o verdadeiro para nos assombrar, talvez fascinar, como também ao diretor e, porventura, ao (provável) filho porque essa historia é um conto de hereditariedade. Como pode o filho seguir os passos do pai? Alguém que, por toda a vida, teve que dividir o amor com outras crianças, outras pessoas? Então, desse mundo existente surge uma pequena ficção, um pensamento articulado pelos corredores dessa Fundação (que realmente existe), por esse bairro (que realmente existe), reduzindo os elementos ficcionais à sua essência, o mínimo necessário para sustentar a historia, quase um documentário.

Desse desafio de unir atores e não atores, fantasia e utopia, a própria dinâmica do cinema com a dinâmica da vida, num belo projeto que evoca aquele sentimento (e)terno associado ao cinema argentino, à filmografia do cineasta, ecos dO ABRAÇO PARTIDO e LEIS DE FAMILIA, aos poucos vamos abraçando essa historia, seus personagens, talvez numa experiência redentora, ao menos leve, feliz. Um filme para todos governar.

(*) Crônica livremente inspirada do material cedido pela FilmSharks, incluso a entrevista com Daniel Burman
RATING: 63/100

TRAILER

Article Categories:
BERLIM · FILMES · SAN SEBASTIAN

Deixe uma resposta