Rua Cloverfield, 10

10 CLOVERFIELD LANE

O mistério se pronuncia desde os primeiros acordes, desde a primeira cena: um tremor, um susto, uma mala por fazer. Uma conversa ao telefone, um adeus… Ela partiu. E com a personagem vemos um longo travelling, toda a ansiedade, a lágrima que parte junto, o vazio e o telefonema de Ben. Para aonde ela vai? Volte! Volte! Mas não há volta porque a noite cai e a colisão é fulminante. E assim dita os créditos, as reviravoltas, o choque. Estamos na RUA CLOVERVIELD, 10. Em algum JOGO MORTAL, VORAZ ou mesmo num QUARTO. DE JACK? Talvez.

E como no filme antecessor, parece, houve um ataque, algo nuclear ou químico, talvez alguma teoria ou conspiração. Ninguém sabe. Nem Frank ou Mildred, coitados. Pela porta afora o ar está impuro (ou se diz estar). Pela porta adentro, tudo nos remete à desconfiança, embora tenhamos comida, diversão e, principalmente, segurança. E nesse “filme-bunker”, nessa sala escura donde Dan Trachtenberg aos poucos enterra nossos receios para, depois, brincar com nossos conceitos, como qualquer jogo de tabuleiro diante dos dados, logo se tempera a historia: Um pouco de sal, um pouco de pimenta e voilá: Uma inesperada variação de CLOVERFIELD: MONSTRO, porque, sim, “monstros se revelam de várias formas”.

Mas falta uma peça nesse quebra-cabeça… O ar está contaminado, pesado, as horas são lentas, se arrastam, se esgueiram mais fundo, mais longe, pelos dutos ou pela lembrança de humanidade que se perdeu, ou se foi, exterminada ou não, aniquilada ou não. Onde é mais seguro? Aqui? Lá fora? Quem é o cárcere? Quem é o carcereiro? Os conceitos se corroem diante de nossos olhos, queimam diante de nossos olhos. O gato está cego. Nós – o público – estamos cegos. E o diretor manipula nossa mente, por esse filme, por essa historia e, sobretudo, pelo mito pos-apocalíptico, ali, bem confinado em nosso subconsciente, que do nada aflora para o exterior como um gás nocivo ou venenoso. Que nos asfixia. Ou nos deleita. Ao menos nessa rua (e longe de Houston).

RATING: 72/100

TRAILER

Article Categories:
FILMES

Deixe uma resposta