A Bruxa

THE WITCH


Diante dos contos seculares de feitiçaria, tantas superstições de magia negra, lendas e mitos da floresta, histórias contadas pela fogueira, à noite, para nos assustar, e assim o é desde os primórdios da colonização americana, eis o horror, o medo, o mais íntimo, claustrofóbico e inquietante que Robert Eggers pode filmar: A maldição de uma família, banida pela Igreja, condenada a viver na floresta, longe de tudo, de todos, apenas eles e a paranoia, marido, esposa e cinco filhos. E também esse mal desconhecido, que ninguém vê, mas espreita.

Um cinema que nos emerge na sinistra ambientação, talvez em Salem, em Blair, ou na “igreja do diabo”, como diria Lars Von Trier em ANTICRISTO. Ecos de ALÉM DAS MONTANHAS, de Cristi Mungiu, o mesmo fanatismo posto à prova, os delírios, a fé implacável que a todos cega e (des)une, isso em dimensões bíblicas, num cenário extremamente opressor, a câmera muito de perto, a fotografia cinzenta, fria, como se não houvesse mais Sol, apenas o mal, o silêncio, o inverno sepulcral visto aos olhos da lebre, da gralha, do bode.

E dessa natureza, emana os personagens, cada qual, um estereótipo para a demência, ali amaldiçoados em cena, desde o primeiro momento, colonos expulsos para o inferno, o profeta, a louca, a pura, o virgem, os gêmeos e o não-batizado, cada um em (pseudos) pecados, orando por perdão, por um Deus que não existe, ou que não virá. Seres sufocados pelo bosque, pela fome, pelos ideais de paraíso e seus símbolos, o gosto da maça, da luxuria. Orai por eles.

Orai por nós. Por esse pesadelo colonial, selvagem, fúnebre, que nos deixa em pleno suspense, senão pelas imagens, ao menos pela trilha sonora a nos arranhar os ossos, os gritos de bruxa vindo de longe, da sugestão, dos passos, o som ao redor, a respiração, os sussurros, toda a angustia crescendo aos olhos, aos ouvidos, até o gozo final, o sabá, as gargalhadas. O resto? Esse fica para o juízo final.

RATING: 82/100

TRAILER

Article Categories:
FILMES · MOSTRA SP · SUNDANCE · TIFF

Comments

  • Pelo que dizem,esse filme é assustador demais,provavelmente ataca o psicológico da pessoa,assim como O Exorcista

    Ivan Moysés 6 de março de 2016 15:23 Responder
  • Tenho evitado assistir a filmes nesse estilo, mas gosto do diretor de ‘A Bruxa’. Se tiver a oportunidade, tentarei assistir!

    Cinéfila por Natureza 11 de novembro de 2015 23:36 Responder

Deixe uma resposta