Sabor da Vida

SWEET RED BEAN PASTE


Para Naomi Kawase, “o cinema é a forma pelo qual se constrói a realidade com o que é visível, mas também, e ao mesmo tempo, um lugar para se registrar o invisível na vida”. E esse é O SEGREDO DAS ÁGUAS, acrescido de leite, farinha e ovos… Uma receita que remonta a antigos samurais e gongos perdidos, um doce, um manga, um filme delicadamente cozinhado pela cineasta, em cada pormenor, em cada detalhe, senão a comunhão com a vida, com a natureza, o cosmos. E tudo ali, na pequena cozinha, no pequeno pastelzinho para encher nossa boca d´água, e nossos olhos também.

Um filme de lenta cocção, para irradiar a sala de encanto, com seus odores, seus sabores, para o deleite de cada cinéfilo que aprecia tal arte e cuja técnica gourmet é, senão o mesmo cotidiano que Ozu filmava, que agora Kore-eda filma, talvez não os mesmos costumes, a velha tradição, mas o espirito que norteia cada pessoa, cada artesanato e, aqui, emoldurado no amor que se cozinha para COMER, BEBER, AMAR. Os dedos calejados pela vida, as mãos enrugadas pelo trabalho, o pão que se sova, os vapores, a fritura, o doce de feijão vermelho que ferve e apura nossos sentidos, senão a própria essência da existência. Desse “ser” humano.

E na tela, basicamente o encontro de duas almas que se unem para enfrentar os obstáculos da vida. Que muitas vezes lutaram, caíram e, mesmo assim, se ergueram e caminharam rumo ao Paraiso. E entre eles, algo “invisível”, silencioso. Algo que evoca as lamentações de uma vida, a autodestruição ligada ao desespero, a angústia de sentir-se inútil no mundo e, depois, e apesar disso, a reconstrução, a esperança, o afeto, a ternura. Tudo sublinhado em pequenas alegrias, coisinhas, feijãozinhos. Tudo tão doce, tão inspirador, que realmente é difícil não saborear. Lembra o passado, nossa infância, as tardes preguiçosas de sábado, a chuva, os bolinhos da vovó. É uma nostalgia palpável, sim, “invisível”, mas imensamente prazerosa. Como admirar as cerejeiras em flor.

RATING: 75/100

TRAILER

Article Categories:
CANNES · FILMES · MOSTRA SP · TIFF

Deixe uma resposta