Ponte dos Espiões

BRIDGE OF SPIES

BRIDGE OF SPIES (2015)No jogo de gato e rato, de INTRIGA INTERNACIONAL, Steve Spielberg move suas peças pelo tabuleiro de xadrez, TINKER TAILOR SOLDIER SPY, e também um advogado, senão o peão, Tom Hanks no olho desse furacão, pela cortina de ferro, afinal a Guerra Fria. Sua missão (impossível?) de negociar a libertação de um piloto americano capturado. O tom é frio, cheio de mistério e gelo, o próprio filme envolto em segredos, luz e sombra, conspiração e olhares. A noite. A chuva. A emboscada.

A inspiração é digna de um livro de John le Carré, o texto elaborado, os personagens complexos e profundos, a inteligência politica e moral, nada mais que a paranoia descrita no Macarthismo, na eminência dos misseis nucleares, cuidadosamente expostos em sala de aula, nos tribunais, nesse cinema, mas o texto é dos irmãos Coen, portanto o Faroeste é mais pessoal e sombrio.

Um filme que desliza pelas sombras, a CORTINA RASGADA entre Berlim Oriental e Ocidental, Rússia e Estados Unidos, aliados e adversários, ataque e defesa, o valor de cada peça, um espião, um soldado, um estudante, cada peão em sua manobra, os sacrifícios, as estratégias, os fundamentos, Tom Hanks avançando e recuando, cada pormenor nesse tabuleiro, cada movimento na PONTE DOS ESPIÕES. Dois lados da mesma moeda. O certo. O errado. A missão. E nesse dilema, no fracasso, no sucesso, vemos o jogo, senão o intenso noir.

Um thriller que se pronuncia grandiloquente, não nos argumentos de Hanks, não nas palavras, mas no silêncio incomensurável de Mark Rylance, sua calma, sua arte. Um homem indefensável, mas cuja defesa é necessária, assim dita a Justiça, mas apenas na fachada porque o homem está condenado, sem pátria, uma pária. E pelo qual se intimida, se repudia, se questiona. Quais os segredos? Quais os crimes? Essa é a histeria, a meditação, afinal “o livro de regras” pelo qual o advogado tanto proclama e luta. Um jogo de cartas marcadas. Sujo. Perigoso. Mas tão bem articulado como outrora houve outros filmes, Henry Fonda, James Stewart, Paul Newman… Vários homens e um destino, um gênero. Octopussy.

RATING: 73/100

TRAILER

Article Categories:
FILMES

Deixe uma resposta