O Leão (de Ouro) sentou-se em um galho para refletir sua história

A PIGEON SAT ON A BRANCH REFLECTING ON EXISTENCE


Incrível, mas ganhou o melhor filme! Algo raro em festivais, quase inacreditável para a Venezia de tantos SACRO GRAs e PIETÁs, mas agora o certo, o justo: A premiação de Roy Andersson, seus 71 anos e quase 7 anos de projeto, nesse pombo (perdoe-me o trocadilho) que se torna um leão. Sem duvida, a melhor escolha dentre uma seleção, diria excêntrica, ou melhor, focada na inesperada virtude da ignorância. Que abriu com o grandioso BIRDMAN, o grande perdedor, o grande vencedor porque agora clama por vingança. E a terá no Oscar 2015, certamente. Depois, outro favorito, THE LOOK OF SILENCE, de Joshua Oppenheimer, devidamente agraciado com o Grande Prêmio do Júri e, entre eles, o segundo lugar, uma surpresa anunciada, o glorioso filme de Andrej Konchalovskij, THE POSTMAN’S WHITE NIGHTS, prata da casa, melhor diretor, 77 anos, sim, era irresistível premiá-lo.

Alba Rohrwacher era consenso como atriz e levou a Copa Volpi. Foi ovacionada com ecos de LA MERAVIGLIE em mente. Entre os atores, havia muitos contenders, Elio Germano (IL GIOVANE FAVOLOSO), Viggo Mortensen (LOIN DES HOMMES), Willem Dafoe (PASOLINI), mas fecharam com Adam Driver, quebrando as regras (o protocolo?) e premiando o casalzinho de HUNGRY HEARTS, um filme “naturalmente” italiano, ok, parece marmelada, mas não foi.

Os dois prêmios mais controversos por fim: SIVAS levou o Premio do Júri. Um filme horroroso, sensacionalista, totalmente desnecessário e deliberadamente bárbaro com lutas de cães. O júri alegou poesia. Pergunto aonde? Na violência premeditada? Na historia desorganizada? Talvez pelo (ínfimo) talento do diretor, aquele mesmo talento que “viram” em Amat Escalante (com HELI) em Cannes 2013. Não sei… Vamos dizer que o prêmio seja uma aposta no futuro do seu autor.

Questionável, mas não ultrajante, o prêmio de Melhor Roteiro foi para TALES, da irariana Rakhshan Bani E’temad. Perplexidade geral porque o filme é bem irregular, quase um melodrama, mas havia todo um contexto por trás do filme, a cineasta estava proibida de filmar e driblou a censura com esses curtas, semelhante ao que Panahi fez com ISTO NÃO É UM FILME. Entende-se.

O Prêmio Marcello Mastroianni para Melhor Ator/Atriz jovem vai para o garoto de LE DERNIER COUP DE MARTEAU e o que dizer? Melhor ele, que está bem e agradável, do que o garoto chato de SIVAS. O Leão do Futuro foi para um filme indiano, também “Melhor Filme” do Panorama “Orizzonti”, COURT de Chaitanya Tamhane. Daqui vai para o Festival de Londres. Parece promissor.

A lista de conquistas na competição é fortemente inclinada para o engajamento e denuncia (o genocídio de THE LOOK OF SILENCE, os problemas do Irã em TALES, a vida dura na Anatólia de SIVAS), mas o que importa é que o Leão rugiu para um filme fantástico. Roy Andersson, em seu longo discurso, nos lembrou do grande cinema italiano e, em particular, LADRÕES DE BICICLETAS de Vittorio De Sica, e isto são coisas que os cinéfilos sempre gostam. O jurado Tim Roth tomou a palavra (fato que nenhum de seus outros colegas o fez) para enfatizar a importância de THE LOOK OF SILENCE, chamando-o de “obra-prima”. E, pelo seu tom apaixonado, podemos deduzir que o debate foi intenso.

Um bom Festival, de grande cinema italiano, de várias decepções francesas, um forte contender ao Oscar, vários comebacks, Michael Keaton, Joe Dante, Peter Bogdanovich, Christophé Honoré e, claro, o Quixote de Manoel de Oliveira que até a Mostra SP, sai crítica.

Article Tags:
Article Categories:
FESTIVAIS

Deixe uma resposta