CANNES 2016 - BANNER

Mondo Kubrick

THE SHINING


Revisitar a filmografia de Stanley Kubrick é um exercício interessante. Além da legitimação de seu nome no quadro de grandes autores cinematográficos do século XX, trata-se hoje de um cineasta porta-de-entrada para todo cinéfilo, apropriado popularmente como representação máxima do status cult, ao lado de autores como Quentin Tarantino. Retornar a estes filmes depois de alguns anos de cinefilia, num momento em que seu nome se prolifera por camisetas, cartazes e souvenires, pode ser interessante para iluminar aspectos ocultos e fazer justiça com obras que, se não tão deslumbrantes quanto outras à primeira vista, demonstram com maior solidez as qualidades do diretor.

A melhor surpresa da lista é justamente a presença de BARRY LYNDON na terceira posição, um belo filme de época geralmente tido como inferior na filmografia de Kubrick – assim como DE OLHOS BEM FECHADOS, seu último filme, bastante criticado no momento do lançamento, mas compreendido hoje como grande filme que é. A lista também apresenta uma mescla significativa entre os trabalhos iniciais do diretor, fotografados em preto-e-branco, com os filmes da fase colorida (DR. FANTÁSTICO e GLÓRIA FEITA DE SANGUE ficaram com boas médias que lhes garantiram a 5ª e a 6ª colocação no ranking), mostrando o interesse dos blogueiros por ambos os períodos.

As duas primeiras posições pertencem, inevitavelmente, aos clássicos mais populares, mais vistos e apreciados do diretor: 2001 – UMA ODISSEIA NO ESPAÇO, que alcança o nono lugar do Ranking Geral da Liga e LARANJA MECÂNICA, obra polêmica e de influência indiscutível no cinema e na cultura pop. Filmes que, ao lado dos demais, reforçam o olhar transgressor de Stanley Kubrick, habilidoso cineasta que, a exemplo de nosso último homenageado, Howard Hawks, trabalhou com facilidade em diversos gêneros cinematográficos, filmando em todos eles cenas ainda hoje presentes na memória coletiva do cinema.

Daniel Dalpizzolo


I am not an animal!
Neither am I.



Kubrick era um observador de mundos e não deixa muito clara sua visão política. A exceção seria SPARTACUS, onde há um discurso a favor do personagem título, o gladiador que lidera uma rebelião contra Roma. São conhecidos os contratempos de bastidores, Kubrick vs Douglas, mas o fato é que este último, atuando também como produtor, conseguiu reunir os melhores talentos disponíveis da época – a clássica batalha no clímax é um primor – e o seu sucesso deu a Kubrick a desejada independência financeira.
Ronald Perrone


You’d be killing a horse – that’s not first degree murder,
in fact it’s not murder at all, in fact I don’t know what it is.



O primeiro trabalho de destaque de Stanley Kubrick é uma experiência não-linear sobre o que poderia ser apenas um filme de roubo comum. Usando desse recurso, o diretor consegue criar tensão constante, deixar o espectador ansioso pelo transcorrer da trama. Mesmo não atingido o potencial que poderia, é um primeiro vislumbre de um talento incontestável.
Alexandre Landucci


A day without blood is like a day without sunshine.



O soldado ‘Joker’ vê com os próprios olhos os resultados do intenso treino a que o seu corpo de fuzileiros é submetido por um sádico instrutor: O gordo e desajeitado Pyle, vítima de todas as humilhações, aplica os seus recém-adquiridos conhecimentos alvejando o seu instrutor e a si próprio. Já no Vietnan, o agora sargento ‘Cowboy’ é incapaz de decidir sob pressão e deixa que uma sniper solitária vá abatendo os seus homens um a um, numa longa e antologica cena. É esta a visão da guerra de Kubrick: Muito longe, portanto, do ambiente ‘bigger than life’ de um APOCALYPSE NOW.
Rui Queiroz


No dream is ever just a dream.



Um filme sobre traição, mas em que não há traição. Fica a dúvida: há diferença entre sonhar ou imaginar uma aventura sexual e ter uma de verdade? Kubrick, mais do que nunca, explora o poder da sugestão. Numa produção homérica que marcou o fim da carreira do cineasta (ele morreu poucos dias depois de exibir o filme finalizado ao estúdio), o espectador é levado como voyeur a lugares de acesso restrito: os bastidores perversos de uma loja de fantasias, uma festa em que é preciso ter duas senhas para entrar, o espelho diante do qual o casal se acaricia intimamente, a mente de um marido perturbado pela assombração do caso que sua mulher diz ter vivido. Um filme que começa e termina em um baile de máscaras e que Kubrick considerava ser o seu melhor trabalho. Quatorze anos após o lançamento, já podemos concordar com ele.
Renato Silveira


There are few things more fundamentally
encouraging and stimulating than seeing someone else die.



Como esquecer a câmera dolly passando em meio às trincheiras formadas pelo exército francês? A linda fotografia em preto e branco? O avanço suicida dos soldados liderados pelo coronel Dax (Kirk Douglas) em meio a explosões de granadas alemãs por todos os lados? E principalmente: como esquecer o tribunal absurdo e o desespero dos condenados? Kubrick não estava mesmo para brincadeira quando fez GLÓRIA FEITA DE SANGUE.
Ailton Monteiro


Gentlemen, you can’t fight in here!
This is the War Room.



Antes do ar contemplativo-filosófico de 2001, Kubrick desbravou uma sátira alucinada sobre a paranóia nuclear da Guerra Fria estrelada por um múltiplo Peter Sellers. O que começou como um thriller no romance original e na imaginação do diretor gerou um retrato crítico ainda atual quando nos lembramos do cerco estadunidense pós-11 de setembro e outras estratégias de “defesa” que reforçam o medo ao invés de saná-lo.
Márcio Andrade


Come play with us, Danny…



Certa vez, Kubrick fez um filme de terror. E o terror nunca mais foi o mesmo. A abertura já escancarava a genialidade: Trilha soturna e câmera aérea acompanhando um inocente fusquinha. Sinistra. Arrebatadora. E claustrofóbica – se é que é possível ser claustrofóbico a céu aberto. Com simples travellings, Kubrick mete medo. Um medo ancestral e irracional como todo medo. E que faz sorrir qualquer cinéfilo que se preza.
Nery Nader Junior


Fate had determined that he should leave none of his race behind him,
and that he should finish his life poor, lonely and childless



Recriação de época inimitável, o period film de Kubrick exibe um espetáculo de luz e sombra que funciona à maneira de um jogo negação e afirmação de identidades — tanto do alpinista social irlandês quanto do visual ambíguo defendido pelo diretor. Neste drama de época que visualiza interiores e exteriores com a urgência de um zoom, paredes, móveis e corpos surgem num quadro do século 18 pincelado nos anos 1970.
Felipe Moraes


You’re not cured yet, boy.



A jornada do personagem Alex é feita de abusos. Abuso dos outros por ele, assim como por conta do governo que lhe força uma educação deturpada. Por pior que seja o comportamento do jovem, tomar seu livre arbítrio é ainda mais terrível. Kubrick constrói essa reflexão sem perder de vista os diversos contextos sociais que levaram Alex a tomar tanto gosto pelo que o próprio personagem chama de ultraviolência. Tudo com o olhar estético de um gênio, em que cada imagem é linda e significativa.
Vinícius Brandão


Dave!



Inovador pela sua estética e efeitos, esta obra-prima é um dos filmes mais complexos do cinema. Kubrick nos conduz a uma viagem visual, com direito a uma elipse de quatro milhões de anos, pela evolução humana. Marcante pelo uso da música como elemento inseparável da narrativa e minimizando diálogos, 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO é uma experiência subjetiva, um filme mais para se sentir do que para se entender.
Mila Ramos


Filmografia Kubrick

1 . 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO | Stanley Kubrick – 9,52
2 . LARANJA MECÂNICA | Stanley Kubrick – 9,24
3 . BARRY LYNDON | Stanley Kubrick – 8,92
4 . O ILUMINADO | Stanley Kubrick – 8,88
5 . DR. FANTÁSTICO | Stanley Kubrick – 8,78
6 . GLÓRIA FEITA DE SANGUE | Stanley Kubrick – 8,62
7 . DE OLHOS BEM FECHADOS | Stanley Kubrick – 8,51
8 . NASCIDO PARA MATAR | Stanley Kubrick – 8,47
9 . O GRANDE GOLPE | Stanley Kubrick – 8,36
10 . SPARTACUS | Stanley Kubrick – 7,92
11 . LOLITA | Stanley Kubrick – 7,68
12 . A MORTE PASSOU PERTO | Stanley Kubrick – 6,71
13 . MEDO E DESEJO | Stanley Kubrick – 5,75


“A sensação de mistério é a única emoção
que se experimenta com mais força na arte do que na vida”
Stanley Kubrick



Conclusão da Trilogia do Apartamento, O BEBÊ DE ROSEMARY é o filme mais notável de um modelo de narrativa sombria pouco usual. Trata-se daquele em que o medo, crescente, é somente sugerido. Roman Polanski elabora uma atmosfera soturna que advém mais dos temores de Rosemary quanto à concepção do bebê que carrega em seu ventre do que da materialização de forças diabólicas. No fundo, é também um drama maternal de uma inocente mulher disposta a um grande sacrifício para exercer o papel de mãe.”
Alex Gonçalves



Uma das coisas que me deixa mais maravilhado no clássico lA RONDE, de Max Ophuls, é que o carrossel sugerido pelo título está presente fisicamente no filme inteiro. Ao trazer o objeto da metáfora pra dentro da cena, o filme propõe uma metalinguagem completamente livre. Quando Anton Walbrook quebra com a separação entre cinema e espectador com sua narração, ele está na verdade enriquecendo aqueles personagens e tornando-os reais.
Cesar Castanha



Em Breve…
Edson Burg



Realizado na época da ditadura de Francisco Franco e narrado em tom de fábula, esta obra de Víctor Erice tem na beleza de sua fotografia e na tensa narrativa minimalista, além da doce atuação de Anna Torrent, elementos que o colocam como uma daquelas obras raras de grande apuro técnico e artístico. A trama se passa em uma vila rural afastada durante a segunda guerra mundial onde uma garotinha entra em um mundo de descobertas e fantasia após assistir FRANKENSTEIN (1933) de James Whale.
Wendell Borges



Rosebud, com um balbuciar de uma palavra, Orson Welles nos ensinou a transformar uma biografia em um filme de suspense delicioso. A ficção nos apresenta um roteiro que desmistifica manuais e utiliza o flashback de maneira criativa e instigante. Da mesma maneira que a utilização da profundidade de campo, do jogo com espelhos, da montagem. Não por acaso, dizem que nada mais foi criado no cinema após CIDADÃO KANE
Amanda Aouad


Mondo Kubrick
1 . CIDADÃO KANE | Orson Welles – 9,43
2 . O ESPÍRITO DA COLMÉIA | Víctor Erice – 9,41
3 . LUZES DA CIDADE | Charlie Chaplin – 9,38
4 . CONFLITOS DE AMOR | Max Ophuls – 9,07
5 . O BEBÊ DE ROSEMARY | Roman Polanski – 9,04
6 . MORANGOS SILVESTRES | Ingmar Bergman – 8,91
7 . A BELA E A FERA | Jean Cocteau – 8,91
8 . UM DIA DE CÃO | Sidney Lumet – 8,85
9 . A CARRUAGEM FANTASMA | Victor Sjöström – 8,75
10 . UM ESTRANHO NO NINHO | Milos Forman – 8,74
11 . SOLARIS | Andrei Tarkovsky – 8,71
12 . O TESOURO DE SIERRA MADRE | John Huston – 8,69
13 . A NOITE | Michelangelo Antonioni – 8,60
14 . O SILÊNCIO DOS INOCENTES | Jonathan Demme – 8,52
15 . TRENS ESTREITAMENTE VIGIADOS | Jirí Menzel – 8,21
16 . UM LOBISOMEM AMERICANO EM LONDRES | John Landis – 8,08
17 . OS BOAS VIDAS | Federico Fellini – 7,97
18 . SE… | Lindsay Anderson – 7,92
19 . O MASSACRE DA SERRA ELÉTRICA | Tobe Hooper – 7,88
20 . A.I. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL | Steven Spielberg – 7,71
21 . HENRIQUE V | Lawrence Olivier – 7,65
22 . ERASERHEAD | David Lynch – 7,36
23 . ROGER & ME | Michael Moore – 6,79
*** . ANJOS DO INFERNO | Howard Hughes – 7,42
*** . BODAS DE SANGUE | Carlos Saura – 7,83
*** . O PRAZER | Max Ophuls – 8,25
*** . O BAILE DOS BOMBEIROS | Milos Forman – 7,75
*** . O GUARDA [THE BANK DICK] | Edward F. Cline – 6,83
*** . PERNAS PROVOCANTES | William Wellman – Sem Nota


Ranking Geral
1 . UM CORPO QUE CAI | Alfred Hitchcock – 9,69
2 . A TURBA | King Vidor – 9,68
3 . A PALAVRA | Carl Theodor Dreyer – 9,67
4 . JANELA INDISCRETA | Alfred Hitchcock – 9,65
5 . ONDE COMEÇA O INFERNO | Howard Hawks – 9,56
6 . PSICOSE | Alfred Hitchcock – 9,55
7 . TRÊS HOMENS EM CONFLITO | Sergio Leone – 9,54
8 . CREPÚSCULO DOS DEUSES | Billy Wilder – 9,53
9 . 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO | Stanley Kubrick – 9,52
10 . O PODEROSO CHEFÃO II | Francis Ford Coppola – 9,44
11 . TAXI DRIVER | Martin Scorsese – 9,43
12 . CIDADÃO KANE | Orson Welles – 9,43
13 . O ESPÍRITO DA COLMÉIA | Víctor Erice – 9,41
14 . LUZES DA CIDADE | Charlie Chaplin – 9,38
15 . OURO E AMBIÇÃO | Erich von Stroheim – 9,36
16 . O PODEROSO CHEFÃO | Francis Ford Coppola – 9,35
17 . A GRANDE ILUSÃO | Jean Renoir – 9,33
18 . PERSONA | Ingmar Bergman – 9,32
19 . EM BUSCA DO OURO | Charles Chaplin – 9,30
20 . GRITOS E SUSSURROS | Ingmar Bergman – 9,25
21 . LARANJA MECÂNICA | Stanley Kubrick – 9,24
22 . OS IMPERDOÁVEIS | Clint Eastwood – 9,20
23 . QUANTO MAIS QUENTE MELHOR! | Billy Wilder – 9,17
24 . PARAÍSO INFERNAL | Howard Hawks – 9,17
25 . OS PÁSSAROS | Alfred Hitchcock – 9,16

Jonny is here!


Article Tags:
Article Categories:
RANKINGS

Comments

  • Excelente, Kubrick é mesmo um gênio. Só acho que Laranja Mecânica é o melhor, sem dúvidas.

    Paulo Cesar 1 de julho de 2013 23:31 Responder

Deixe uma resposta