CANNES 2016 - BANNER

Mondo Tarantino

MONDO TARANTINO

 

O crítico Inácio Araújo definiu muito bem o cinema de Quentin Tarantino ao dizer que o cineasta filma com um vigor raro no cinema contemporâneo. Seus filmes ainda demonstram o deslumbre do balconista de videolocadora, que herdou o desprendimento e a falta de limites dos filmes trash e B que ama junto a técnica de mestres como Howard Hawks e Sergio Leone. A mostra em homenagem ao diretor, realizada pelo CCBB, revisa uma das filmografias mais amadas da atualidade, detentora de uma linguagem característica e já famosa, mesmo ao publico das salas de shopping centers.
Rafael Canoba

 

MONDO TARANTINO - CAES DE ALUGUEL

 

Considerado pela revista norte-americana Empire “o maior filme independente de todos os tempos”, CÃES DE ALUGUEL não ganhou esse status a toa. Realizado com poucos recursos, mas excesso de esmero, o filme que impulsionou a carreira de Tarantino reflete com propriedade os atributos caros a seu autor: narrativa não-linear, diálogos afiados, trilha envolvente, estética visual apurada e o trabalho preciso na direção de atores.
Celo Silva

 

MONDO TARANTINO - KILL BILL VOL2

 

Enterrada. Coma. Superman. Em KILL BILL VOL.2, Tarantino deixa a histeria e o sangue espirrado do Volume 1 para dar lugar à tensão das longas cenas e diálogos pastiche que fizeram sua fama. Mesclando kung fu oriental e western ocidental, concebe uma obra que que transita na mente multi-pluri-oni-sígnica de Tarantino, em que uma palavra, um plano, uma cena, o filme todo carregam em si metáforas sobre o próprio Cinema
Márcio Andrade

 

MONDO TARANTINO - KILL BILL VOL1

 

KILL BILL VOL.1 é Quentin Tarantino tirando de seu caldeirão de influências seu amor pelos filmes dos irmãos Shaw adicionando litros de sangue falso e pitadas generosas de faroeste spaghetti. Ainda arruma tempo de homenagear os animes, resgatar (como de hábito) figuras esquecidas pelo cinema e de apresentar uma das protagonistas mais carismáticas da história recente.
Alexandre Landucci

 

MONDO TARANTINO - BASTARDOS INGLORIOS

 

Considerando que a qualidade de um filme é sempre relativa, podemos constatar a importância de BASTARDOS INGLÓRIOS pela forma como o filme se entranhou no quadro referencial da cultura de toda uma geração (o que fica claro quando percebemos a vasta quantidade de pessoas que já encontramos com pedaços de guardanapo grudados na testa em mesas de bar). Mas não é à toa. Das cenas milimetricamente coreografadas até o perfeito equilíbrio de cores, o ajudante de Aldo Raine tem razão ao reconhecer: é uma obra-prima.
Cesar Castanha

 

MONDO TARANTINO - PULP FICTION

 

Antes havia os filmes policiais. Aí veio PULP FICTION e vieram os filmes policiais da era Tarantino. Este é daqueles filmes que mudam as regras do jogo. A narrativa não linear, ou circular, em que gente morre e volta viva sem cerimônia, subverteu a expectativa do grande público, atraído aos cinemas pela estética ultrapop de referências e redescobertas cinematográficas e musicais. Com diálogos e personagens que imediatamente entraram para a história do cinema, PULP FICTION resiste como obra-prima da geração de seu diretor.
Renato Silveira

 


Ranking Tarantino

1 . PULP FICTION | Quentin Tarantino – 9,13
2 . BASTARDOS INGLÓRIOS | Quentin Tarantino – 8,87
3 . KILL BILL – Vol.1 | Quentin Tarantino – 8,73
4 . KILL BILL – Vol.2 | Quentin Tarantino – 8,52
5 . CÃES DE ALUGUEL | Quentin Tarantino – 8,40
6 . JACKIE BROWN | Quentin Tarantino – 8,33
7 . À PROVA DE MORTE | Quentin Tarantino – 7,95
8 . DJANGO LIVRE | Quentin Tarantino – 7,65
9 . GRANDE HOTEL | Quentin Tarantino & Robert Rodriguez – 5,39

 

Quem acompanha as listas de melhores do ano feitas por Tarantino pode sempre comparar a disparidade entre os selecionados, incluindo os longas aclamados do momento junto a outros de gosto duvidoso. A mostra do CCBB foi generosa ao trazer as referências do diretor, presentes e citadas com frequência em seus filmes. São obras que dificilmente veríamos sem recorrer aos arquivos de baixa qualidade da internet.
Rafael Canoba

 

MONDO TARANTINO - O GRANDE GOLPE

 

O GRANDE GOLPE (1956), de Stanley Kubrick, é um dos marcos do cinema moderno, exatamente por alternar pontos de vista distintos de alguns personagens envolvidos em um roubo de um hipódromo para contar a sua história. A premissa é próxima da do revolucionário CIDADÃO KANE (1941), de Orson Welles, e da de RASHOMON (1950), de Akira Kurosawa. Hoje a idéia é copiada por cineastas como Quentin Tarantino e Brian De Palma.
Jefferson Assunção

 

MONDO TARANTINO - JEJUM DO AMOR

 

A ideia de Howard Hawks de reimaginar a sátira a imprensa de A PRIMEIRA PAGINA como uma comédia de recasamento segue um dos mais inspirados momentos de imaginação cômica de todo o cinema. Seus diálogos rápidos sobrepostos, únicos no período, levam toda a fama, mas é o olhar cortante de Hawks para a batalha de desejos do ex-casal em meio a um ambiente maluco e competitivo que tornam JEJUM DE AMOR num filme especial.
Filipe Furtado

 

MONDO TARANTINO - ONDE COMECA O INFERNO

 

Depuração máxima do cinema de Hawks, em que laços de amizade, amor e cumplicidade estabelecem-se enquanto homens cumprem uma arriscada missão. Um xerife a quem, para combater o mal, só resta a ajuda de um velho manco, um bêbado inveterado e um cowboy novato. Herois desajustados que dividem tudo: a angústia da espera, as bebedeiras e a música, a fúria da violência e inclusive as roupas íntimas de uma mesma mulher.
Daniel Dalpizzolo

 

MONDO TARANTINO - TAXI DRIVER

 

Poderia ter sido diferente. DePalma seria o diretor, Griffith e Basinger eram as primeiras opções para o papel de Iris, Fawcett era a favorita dos produtores, Phillips para o papel de Betsy, Herrmann não queria fazer sua trilha e Pacino seria Travis Bickle. Mas dizem por aí que só existe uma maneira perfeitamente correta de se contar uma história no cinema – e assim nasceu o maior conto da patologia da solidão que o cinema já viu, um dos seus maiores anti-heróis e uma história impactante da busca pela redenção.
Ana Clara

 

MONDO TARANTINO - TRES HOMENS EM CONFLITO

 

Caracterizando para descaracterizar: esta é uma boa definição para TRÊS HOMENS EM CONFLITO. E justo pelo fato do trielo de adjetivos em seu título original (bom, mau e feio) moldarem os personagens do filme por si só, guiando Leone para um conflito de desmitificação de tal ato, impondo os homens como misturas homogêneas perante Deus e a cobiça – nenhum deles é o que parece, salvo pela origem animal e selvageria
Bruno Barrenha

 


Mondo Tarantino

1 . TRÊS HOMENS EM CONFLITO | Sergio Leone – 9,54
2 . TAXI DRIVER | Martin Scorsese – 9,43
3 . ONDE COMEÇA O INFERNO | Howard Hawks – 9,41
4 . JEJUM DE AMOR | Howard Hawks – 8,71
5 . O GRANDE GOLPE | Stanley Kubrick – 8,52
6 . CARRIE, A ESTRANHA | Brian DePalma – 8,51
7 . CORRIDA CONTRA O DESTINO | Richard C. Sarafian – 8,36
8 . CINCO COVAS NO EGITO | Billy Wilder – 8,28
9 . FUGINDO DO INFERNO | John Sturges – 8,20
10 . THE KILLER – O MATADOR | John Woo – 8,19
11 . DJANGO | Sergio Corbucci – 7,93
12 . ADRENALINA MÁXIMA | Takeshi Kitano – 7,63
13 . JOVENS, LOUCOS E REBELDES | Richard Linklater – 7,45
14 . SIN CITY: A CIDADE DO PECADO | R.Rodriguez, F.Miller & Quentin Tarantino – 7,44
15 . OPERAÇÃO DRAGÃO | Robert Clouse – 7,43
16 . FASTER, PUSSYCAT! KILL! KILL! | Russ Meyer – 7,36
17 . FOXY BROWN | Jack Hill – 7,36
18 . LADY SNOWBLOOD | Toshiya Fujita – 7,27
19 . O SEQUESTRO DO METRÔ | Joseph Sargent – 7,23
20 . AMOR À QUEIMA-ROUPA | Tony Scott – 7,17
21 . UM DRINK NO INFERNO | Robert Rodriguez – 6,99
22 . PLANETA TERROR | Robert Rodriguez – 6,82
23 . SUKIYAKY WESTERN DJANGO | Takashi Miike – 6,71
24 . ASSASSINOS POR NATUREZA | Oliver Stone – 6,64
25 . OS BASTARDOS INGLÓRIOS – O EXPRESSO BLINDADO DA S.S. NAZISTA | Enzo G. Castellari – 6,50
26 . O JOGO DA MORTE | Robert Clouse, Sammo Hung Kam-Bo & Bruce Lee – 6,39
*** . IMPÉRIO DO CRIME | Joseph H. Lewis – 9,17
*** . A MORTE ANDA A CAVALO | Giulio Petroni – 8,50
*** . OS CINCO DEDOS DA MORTE | Chang-hwa Jeong – 7,75
*** . ABBOTT & COSTELLO ÀS VOLTAS COM FANTASMAS | Charles Barton – 7,58
*** . DJANGO VEM PARA MATAR | Giulio Questi – 7,67
*** . O MESTRE DA GUILHOTINA | Yu Wang – 7,20
*** . BLACK MAMA, WHITE MAMA | Eddie Romero – 6,88
*** . THE STREET FIGHTER | Shigehiro Ozawa – 8,13
*** . A OUTRA FACE DA VIOLÊNCIA | John Flynn – 9,33
*** . A CÂMARA 36 DE SHAOLIN | Chia-Liang Liu – 8,50


Ranking Geral

1 . UM CORPO QUE CAI | Alfred Hitchcock – 9,69
2 . A PALAVRA | Carl Theodor Dreyer – 9,67
3 . JANELA INDISCRETA | Alfred Hitchcock – 9,65
4 . PSICOSE | Alfred Hitchcock – 9,55
5 . TRÊS HOMENS EM CONFLITO | Sergio Leone – 9,54
6 . O PODEROSO CHEFÃO II | Francis Ford Coppola – 9,44
7 . TAXI DRIVER | Martin Scorsese – 9,43
8 . ONDE COMEÇA O INFERNO | Howard Hawks – 9,41
9 . O PODEROSO CHEFÃO | Francis Ford Coppola – 9,35
10 . QUANTO MAIS QUENTE MELHOR | Billy Wilder – 9,35
11 . PERSONA | Ingmar Bergman – 9,32
12 . MORANGOS SILVESTRES | Ingmar Bergman – 9,26
13 . GRITOS E SUSSURROS | Ingmar Bergman – 9,25
14 . OS IMPERDOÁVEIS | Clint Eastwood – 9,20
15 . OS PÁSSAROS | Alfred Hitchcock – 9,16
16 . O LEOPARDO | Luschino Visconti – 9,13
17 . PULP FICTION | Quentin Tarantino – 9,13
18 . MISTÉRIOS DE LISBOA | Raoul Ruiz – 9,00
19 . COMO ERA VERDE O MEU VALE | John Ford – 9,00
20 . TOY STORY 2 | John Lasseter – 9,00
21 . APARAJITO | Satyajit Ray – 9,00
22 . CABRA MARCADO PARA MORRER | Eduardo Coutinho – 8,98
23 . APOCALIPSE NOW | Francis Ford Coppola – 8,98
24 . VIRIDIANA | Luis Bunuel – 8,96
25 . A INFÂNCIA DE IVAN | Andrey Tarkovskiy – 8,94

 

Article Tags:
Article Categories:
RANKINGS

Comments

  • Tarantino é um mestre sem mestre. Veio do nada e ao nada está marcado para terminar, já que sua maestria é praticamente impossível de ser ensinada. Não é cinema moderno, nem ultrapassado, é apenas Tarantinesco.

    Paulo Cesar 26 de março de 2013 8:31 Responder
  • excelente, tenso, humor negro, violência, maestria, premiado, moderno e brilhante. hehehheeh

    DYOGO 25 de março de 2013 13:10 Responder

Deixe uma resposta