As 10 Maiores Decepções de 2010


O ano de 2010 foi repleto de – gratas – surpresas (A REDE SOCIAL, O DISCURSO DO REI, 127 HORAS, TOY STORY 3, INVERNO DA ALMA); de alguns – esperados – sucessos (BRAVURA INDÔMITA, CISNE NEGRO, UM LUGAR QUALQUER, EXIT THROUGH THE GIFT SHOP) e uma série – brutal – de decepções. Eis o TOP10 dos fracassados:

1. Florian Henckel von Donnersmarck

O oscarizado diretor de A VIDA DOS OUTROS foi à Hollywood a convite de vários projetos. Decidiu-se, enfim, pelo remake do filme francês ANTHONY ZIMMER – A CAÇADA e filmou O TURISTA, uma superprodução com Johnny Depp, Angelina Jolie e Paul Bettany. A paternidade do roteiro é compartilhada entre o próprio diretor e Christopher MacQuarrie, vencedor do Oscar por OS SUSPEITOS.


Resultado: Thriller com aroma de Hitchcock e excesso de Channel, O TURISTA é extremamente superficial. É o maior fracasso de critica e publico do ano. Sua bilheteria não cobre a metade do que custou.

2. Julie Taymor

Uma das diretoras teatrais mais sucedidas dos anos 90, responsável pela adaptação musical dO REI LEÃO, apostou seu ano de 2010 em dois projetos faraônicos: Uma versão musical de HOMEM-ARANHA, com canções de Bono e, de brinde, uma nova versão cinematográfica dA TEMPESTADE com Helen Mirren no papel de Próspero, o protagonista masculino de uma das ultimas obras de William Shakespeare.


Resultado: Pernas quebradas, bolsos vazios, cortinas caídas. Eis a incursão do Homem-Aranha pela Broadway que deve, se nada mais acontecer, estrear somente em Fevereiro com mais de ½ ano de atraso e 50 milhões de dólares de custo adicional. Para dar lucro, precisa bater o recorde de “Cats”. Nas telas, não fica melhor… A TEMPESTADE foi vaiado durante sua Premiere no Festival de Veneza e não obteve nenhum reconhecimento na temporada de Prêmios de Hollywood.

3. Kristen Stewart

A grande protagonista do espetáculo mórmon-vampiresco, a.k.a A SAGA CREPUSCULO, decidiu compartilhar suas filmagens com Robert Pattinson e Taylor Lautner com um punhado de filmes independentes, um verdadeiro banquete de Sundance, para ganhar reconhecimento da critica.


Resultado: THE RUNAWAYS – AS GAROTAS DO ROCK estreou em circuito sem grande alarde; WELCOME TO THE RILEYS sequer estreou nos cinemas, ficando relegado ao circuito de DVD. ADVENTURELAND (Comédia romântica ambientada nos anos 80) fracassou nos EUA e sumiu – de vergonha?

4. Dustin Lance Black

Ganhador do Oscar pelo roteiro de MILK, ativista dos direitos homossexuais nos EUA, o californiano aparecia em todas as listas de grandes nomes de 2010. O motivo: Seu debute na direção com WHAT’S WRONG WITH VIRGINIA, um drama rural protagonizado por Jennifer Connely, Ed Harris e Toby Jones.


Resultado: Foi um dos filmes mais criticados no Festival de Sundance 2010 e depois foi esnobado em todos os Festivais de renome europeu. O desencanto dos produtores, a ausência de distribuidoras e a falta de apoio da critica engavetou, literalmente, o filme.

5. Nikita Mikhalkov

Um dos maiores diretores russos em atividade, Nikita Mikhalkov apresentou a sequencia de EXODUS no ultimo Festival de Cannes. BURNT BY THE SUN 2 é uma das maiores superproduções da historia do seu país: 45 milhões de euros e três horas de duração.


Resultado: Assobios, vaias, indignação. A Premiere de Cannes começou lotada e terminou vazia. A falta de interesse foi tão grande e prolongada – inclusive no próprio país – que o filme arrecadou apenas 6 Milhões de euros.

6. Luc Besson

Autor de IMENSIDÃO AZUL, O QUINTO ELEMENTO, NIKITA, BUSCA IMPLACAVEL e, também, produtor de TAXI, DISTRITO 13 e ARTHUR E OS MINIMOYS, Besson sempre pautou sua carreira entre o comercial e o pessoal, transitando entre o cinema de autor e produtor. Em 2010, se esperava ANGEL-A, uma pequena fita rodada em Preto & Branco que permanece inédita desde 2005.


Resultado: Qualquer um que tenha visto ANGEL-A, foi através da compra do DVD americano, francês ou Inglês. Àqueles que se aventuraram pelo filme, se decepcionaram com a inocência do roteiro – uma espécie de Pocoyo para adultos. Os resultados foram negociados bem abaixo das expectativas dos produtores que investiram € 50.000.000 para recriar o final do século francês e se contentaram com dragões e perucas.

7. Os atores convertidos em diretores

Em um ano de grandes interpretações, alguns atores preferiram a cadeira do diretor. Vários nomes do cinema americano, todos dedicados, a maioria oscarizado, viveram um ano curto de alegrias.


Resultado: Jodie Foster se viu obrigada a postergar por um ano a estréia de THE BEAVER, porque seu ator protagonista, paradigma da homofobia, machismo e anti-semitismo, conhecido como Mel Gibson, bebeu demais – de novo. Robert Redford também adiou seu filme. THE CONSPIRATOR, a historia de assassinato de Lincoln interessou a muitos, menos as distribuidoras. Philip Seymour Hoffman e Mark Ruffalo, por sua parte, debutaram como diretores e iniciaram – e terminaram – sua carreira em Sundance.

8. Os best-sellers adaptados em filmes de festival

Quando um livro de autor consegue vender milhões, existe a possibilidade de virar filme sem quaisquer auxilio de um Festival de renome. É o caso de O NOME DA ROSA, O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON, SHREK e ONDE VIVEM OS MONSTROS. Às vezes, o Festival é um pedigree de luxo, esse é o caso bem sucedido de GOMORRA. NORWEGIAN WOOD (Tran Anh Hung) e LA SOLITUDINE DEI NUMERI PRIMI (Saverio Costanzo) tentaram o tapete vermelho do Festival de Veneza


Resultado: A adaptação da obra de Murakami é um filme de amor e ódio, de grande personalidade que uns detestaram e outros amaram incondicionalmente. A consequência? Num Festival, onde os holofotes estão no limiar entre o aplauso e a vaia, entre a critica e os elogios, uma má recepção é a pena de morte no mercado internacional. LA SOLITUDINE DEI NUMERI PRIMI sofreu de outra síndrome: É comercial demais para um Festival. Obra destinada a seduzir o publico e não a crítica. Foi dizimado em Veneza.

9. (A falta) de distribuição dos documentários norte-americanos

É a idade de ouro dos documentários. Nunca houveram tantos e tão bons títulos e autores dedicando seu talento – e lábia – em resgatar a realidade: THE COVE, FOOD, INC., VJs DE BURMA, MUGABE AND THE WHITE AFRICAN, THE MOST DANGEROUS MAN IN AMERICA: DANIEL ELLSBERG AND THE PENTAGON PAPERS, WHICH WAY HOME, AS PRAIAS DE AGNÈS, EXIT THROUGH THE GIFT SHOP, TRABALHO INTERNO, WAITING FOR ‘SUPERMAN’, RESTREPO, THE TILLMAN STORY…


Resultado: Alguém viu algum titulo acima no Brasil? Garanto que foram bem poucos e – aposto – por meios ilícitos ou pela compaixão de algum Festival.

10. O descaso de algumas distribuidoras

REINO ANIMAL, um dos melhores filmes de 2010, internacionalmente, está comprado pela Sony Pictures. SCOTT PILGRIM CONTRA O MUNDO, a melhor comedia de 2010 estreou recentemente pela Universal Pictures.


Resultado: Previsto para Dezembro, a estréia em circuito de REINO ANIMAL foi adiada e engavetada e não está prevista sequer para lançamento em 2011. SCOTT PILGRIM, depois de um fracasso nas bilheterias norte-americanas (Provavelmente não entenderam o filme) teve apenas 4 copias em São Paulo e 2 no Rio de Janeiro. Ambos batem recorde de downloads na Internet.

Fonte: Jaume Ripoll | Fotos: MUBI.com

Article Categories:
RANKINGS

Comments

  • Bom post. Só duas observações: The Conspirator, na verdade, já tem distribuição garantida nos E.U.A. E entre os filmes adaptados de best-sellers que aparentemente caíram num limbo você poderia acrescentar “Never let me go”, badaladíssimo antes de estrear no Festival de Telluride e que desde então não deslanchou.

    Cristine 30 de dezembro de 2010 20:57 Responder

Deixe uma resposta