Os Melhores Atores do Cinema

“Com lágrimas nos olhos, me ocorre o pensamento de que no próprio ato de morrer, Marlon tornou-se imortal. Mas talvez ele já fosse imortal naquela época, em Paris, na Pont de Passy.

Isso é certamente o que toda a equipe de “O Último Tango em Paris” achava, hipnotizada por sua presença. Nenhum de nós tinha encontrado uma lenda viva como ele, e, para os amantes do cinema, ele era talvez a única lenda verdadeira que já existiu.

Eu me lembro da primeira cena que filmamos.

Eu gritei, “OK, está bom”, mas o operador de câmera, Umetelli, vermelho de vergonha, sussurrou: “Desculpe. Assim que vi Brando através da câmera, fiquei paralisado, só olhando para ele”. Tivemos de filmar a cena de novo.

No Actors’ Studio, ele aprendeu melhor do que ninguém como se transformar em outra pessoa, um revolucionário mexicano, um Hell’s Angel, um estivador de Nova York, um rio, ou uma árvore.

No cinema, um ator muitas vezes precisa realmente entrar na pele de outra pessoa.

Mas eu pedi a ele para fazer o oposto: trazer para a sua atuação toda a experiência da sua vida, como homem e como ator.

Quando terminamos de filmar, ele me disse:

“Nunca vou fazer um filme como esse de novo. Eu não gosto muito de atuar mesmo, mas isso foi muito pior.”

“Do começo ao fim me senti violentado. Detalhes íntimos sobre mim, sobre minha vida, até sobre meus filhos, foram arrancados de mim e expostos para o mundo.”

Depois disso, ele parou de falar comigo por mais ou menos 12 anos e me fez sofrer terrivelmente, fazendo com que eu duvidasse seriamente de mim mesmo e do meu trabalho.

Então um dia liguei para ele, e ele me segurou no telefone por duas horas.

Tínhamos começado a nos falar novamente, como fazíamos antes, e tínhamos muito o que falar. Marlon era diabolicamente curioso a respeito de tudo.

A última vez que o vi foi há vários anos, na casa dele, em Mulholland Drive, às duas horas da tarde.

Nós falamos e falamos, e logo já eram oito horas, a noite tinha caído.

Na escuridão, eu perguntei se ele tinha jamais percebido o quanto eu o amava.

Bernardo Bertolucci

Há vários motivos para assistir um filme: Pelo espetáculo, pelo riso, pela arte… E então há pessoas. Não pessoas que vão assistir aos filmes, mas as do próprio filme! Os personagens conjurados pelo ator que interpretam palavras do escritor, guiadas pelo diretor, através da celulóide do fotográfo, projetado na tela por um feixe de luz. Assim muitos nos convencem à acreditar de fato nessas pessoas tanto quanto nós acreditamos em nós mesmos.

Hoje, Spoiler vai homenagear essas pessoas: Mitos que fizeram de suas vidas, os nossos sonhos. Deuses que fizeram de seu trabalho, uma lenda. Monstros que fizeram da historia, uma arte…

Mitos, Deuses e Monstros:

100
Jerri Lewis

“O Professor Aloprado” (1963)

99
James Dean

“Juventude Transviada” (1955)

98
George Arliss

“Disraeli” (1929)

97
Edmund Gwenn

“De Ilusão Também se Vive” (1947)

96
Fred Astaire

“A Roda da Fortuna” (1953)

95
Nicolas Cage

“Despedida em Las Vegas” (1995)

94
Rex Harrison

“My Fair Lady, Minha Bela Dama (1964)

93
Peter Finch

“Rede de Intrigas” (1976)

92
Paul Scofield

“O Homem que Não Vendeu sua Alma” (1966)

91
Barry Fitzgerald

“O Bom Pastor” (1944)

90
Hugh Griffith

“Ben-Hur” (1959)

89
John Wayne

“O Homem que Matou o Facínora” (1962)

88
Edmond O’Brien

“A Condessa Descalça” (1954)

87
Richard Dreyfuss

“A Garota do Adeus” (1977)

86
Karl Malden

“Um Bonde Chamado Desejo” (1951)

85
Gene Kelly

“Sinfonia em Paris” (1951)

84
Thomas Mitchell

“No Tempo das Deligências” (1939)

83
John Gielgud

“Arthur – O Milionário Sedutor (1981)

82
Christopher Walken

“Prenda-me se For Capaz” (2002)

81
Orson Welles

“Cidadão Kane” (1941)

80
Danny Kaye

“Sonhando de Olhos Abertos” (1944)

79
Harold Russell

“Os Melhores Anos de Nossas Vidas” (1946)

78
Charlton Heston

“Ben-Hur” (1959)

77
Kevin Spacey

“Beleza Americana” (1999)

76
Charles Bickford

“A Canção de Bernadette” (1943)

75
Tom Cruise

“Magnólia” (1999)

74
William Powell

“A Ceia dos Acusados” (1934)

73
Marcello Mastroianni

“Divórcio à Italiana” (1962)

72
Clifton Webb

“Laura” (1944)

71
James Mason

Nasce uma Estrela (1954)

70
Bing Crosby

“O Bom Pastor” (1944)

69
Gig Young

“A Noite dos Desesperados” (1969)

68
William Hurt

“O Beijo da Mulher-Aranha” (1985)

67
Jack Palance

“Amigos, Sempre Amigos” (1991)

66
Maurice Chevalier

“Gigi” (1958)

65
Daniel Day-Lewis

“Meu Pé Esquerdo” (1989)

64
Charles Coburn

“Original Pecado (1943)

63
Geoffrey Rush

“Shine – Brilhante” (1996)

62
Walter Matthau

“Uma Loira por um Milhão (1966)

61
James Cagney

“A Canção da Vitória” (1942)

60
Maximilian Schell

“Julgamento em Nuremberg” (1961)

59
Charles Laughton

“Os Amores de Henrique VIII” (1932)

58
Clark Gable

“E o Vento Levou…” (1939)

57
Russell Crowe

“Uma Mente Brilhante” (2001)

56
Rod Steiger

“No Calor da Noite” (1967)

55
Charles Chaplin

“O Grande Ditador (1940)

54
William Holden

“Inferno nº 17″ (1953)

53
Jose Ferrer

“Cyrano de Bergerac” (1950)

52
Martin Landau

“Ed Wood” (1994)

51
Cary Grant

“Intriga Internacional” (1959)

50
Humphrey Bogart

“Casablanca (1942)

49
Melvyn Douglas

“O Indomado” (1963)

48
Peter Ustinov

“Topkapi” (1964)

47
Sidney Poitier

“No Calor da Noite” (1967)

46
Frank Sinatra

“Sob o Domínio do Mal (1962)

45
Jason Robards

“Todos os Homens do presidente” (1976)

44
Henry Fonda

“As Vinhas da Ira” (1940)

43
Bob Hope

“O Valente Treme-Treme” (1948)

42
Charles Boyer

“À Meia Luz” (1944)

41
Warren Beatty

“Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas” (1967)

40
Jeff Bridges

“O Grande Lebowski” (1998)

39
Montgomery Clift

“Um Lugar ao Sol” (1951)

38
Jon Voight

“Perdidos na Noite” (1969)

37
Ben Kingsley

“Ghandi” (1992)

36
Ronald Colman

“Fatalidade” (1947)

35
Sean Penn

“21 Gramas” (2003)

34
Burt Lancaster

A um Passo da Eternidade (1953)

33
Robin Williams

“Sociedade dos Poetas Mortos” (1989)

32
Walter Huston

“O Tesouro de Sierra Madre” (1948)

31
Anthony Hopkins

“O Silêncio dos Inocentes” (1991)

30
Kirk Douglas

“Spartacus” (1960)

29
George C. Scott

“Patton – Rebelde ou Herói?” (1970)

28
Morgan Freeman

“Conduzindo Miss Daisy” (1989)

27
Anthony Quinn

“Zorba, O Grego” (1964)

26
Walter Brennan

“O Galante Aventureiro” (1940)

25
Albert Finney

“Assassinato no Expresso Oriente” (1974)

24
Arthur Kennedy

“Só Resta a Lembrança” (1951)

23
Denzel Washington

“Hurricane – O Furacão” (1999)

22
Gene Hackman

“Conexão França” (1971)

21
Fredric March

“Os Melhores Anos de Nossas Vidas” (1946)

20
Alec Guinness

“A Ponte do Rio Kwai” (1957)

19
Tom Hanks

“Philadelphia” (1993)

18
Paul Muni

“A Vida de Louis Pasteur” (1936)

17
Robert Duvall

“Apocalipse Now” (1979)

16
Mickey Rooney

“A Comédia Humana” (1943)

15
Michael Caine

“Hannah e Suas Irmãs (1986)

14
Gregory Peck

“O Sol é para Todos” (1962)

13
Robert De Niro

“Touro Indomável” (1980)

12
James Stewart

“A Felicidade Não se Compra” (1946)

11
Gary Cooper

“Sargento York” (1941)

10
Richard Burton

“Quem tem Medo de Virginia Woolf” (1966)

9
Dustin Hoffman

“Rain Man” (1988)

8
Peter O’Toole

“Lawrence da Árabia” (1962)

7
Al Pacino

“Perfume de Mulher” (1992)

6
Jack Lemmon

“Mister Roberts” (1955)

5
Marlon Brando

“Sindicato de Ladrões” (1954)

4
Spencer Tracy

“Julgamento em Nuremberg” (1961)

3
Laurence Olivier

“Spartacus” (1960)

2
Paul Newman

“O Indomado” (1963)

1
Jack Nicholson

“Um Estranho no Ninho” (1975)

Article Categories:
RANKINGS

Comments

  • Que pena que Leonardo DiCaprio não entrou… Grande ator, cada vez melhor. Ele merece.

    Mateus Selle Denardin 26 de novembro de 2010 10:55 Responder

Deixe uma resposta