400 Filmes e Algumas Cerejas


Focada na diversidade cinematográfica e na revelação de novos talentos, a Mostra traz ao público uma seleção da produção cinematográfica mundial com mais de 400 títulos divididos entre as seções Perspectiva Internacional; Competição Novos Diretores, com exibição de filmes de cineastas que tenham realizado no máximo seu segundo longa-metragem; Mostra Brasil, retrospectivas, homenagens e exibições especiais.

A abertura dessa edição será com o filme O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA, no dia 21 de outubro, às 20h30, no Auditório Ibirapuera. Dirigido pelo mestre Manoel de Oliveira, cineasta português que estará presente na noite de abertura do evento, o longa-metragem é uma coprodução da Mostra e abriu a seção Un Certain Regard, no Festival de Cannes 2010. O filme narra a história de Issac, um jovem fotógrafo que certa noite recebe uma ligação urgente de uma família rica para tirar a última foto de Angélica, a filha do casal que morreu poucos dias depois de seu casamento. Ele se apaixona pela imagem de Angélica, que passa a persegui-lo à exaustão.

O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA foi idealizado por Oliveira um projeto para ser realizado logo depois da Segunda Guerra Mundial com o pensamento nas conseqüências do nazismo, mas foi impedido de ser levado adiante graças às intervenções do salazarismo.

O Festival da Juventude entra na sua 11° edição de sessões gratuitas. A programação apresenta filmes com temática jovem com exibição em três salas: Cine Livraria Cultura, Cine Sabesp e MIS – Museu da Imagem e do Som.

Além das seções da programação normal da Mostra, o evento traz uma série de exibições especiais ao longo de suas duas semanas, com apresentação de filmes clássicos e homenagens a nomes representativos do cinema.

Uma das exibições especiais desta edição é a apresentação, pela primeira vez no Brasil, da nova cópia restaurada do clássico de Fritz Lang, METROPOLIS (1927). Exibido pela primeira vez em Berlim, em janeiro deste ano, a cópia traz 25 minutos de material perdido inédito, encontrado no Museu do Cinema de Buenos Aires, em julho de 2008. A exibição da cópia acontece no dia 24 de outubro, às 20h, no gramado do auditório do Ibirapuera, e terá acompanhamento da orquestra Jazz Sinfônica, com regência do maestro João Maurício Galindo. Antes da exibição, às 19h, os alunos da Escola do Auditório do Ibirapuera farão uma apresentação.

Um grande acontecimento da 34ª Mostra é a exibição do longa-metragem MISTÉRIOS DE LISBOA, de Raoul Ruiz, que venceu recentemente o prêmio de melhor realizador no festival de San Sebastian, na Espanha. O filme, com 272 minutos de duração e realizado a partir de um romance de Camilo Castelo Branco, terá exibição especial e contará com a presença do produtor Paulo Branco e dos atores Ricardo Pereira, Adriano Luz e Maria João Bastos.

Mais uma exibição especial dentro da programação é a apresentação da versão do diretor, com 280 minutos, de ATÉ O FIM DO MUNDO, que contará com a presença de Wim Wenders.

Outro centenário será comemorado na programação da 34ª Mostra: a do Corinthians, que ganha projeção do filme O CORINTIANO, de Milton Amaral, com Mazzaropi no papel de um torcedor fanático pelo time que entra em conflito com os filhos e os vizinhos. O filme ganhou cópia restaurada pela Cinemateca Brasileira. A sessão comemorativa será realizada no dia 27 de outubro, no vão livre do Masp.

A exibição de O CORINTIANO está na programação, em parceria com a Cinemateca Brasileira, da comemoração do Dia do Patrimônio Audiovisual, celebrado no próprio dia 27 de outubro. O Dia do Patrimônio Audiovisual deste ano tem como tema, dado pela Unesco, Salve e Saboreie a sua Herança Audiovisual – Agora!, e uma seleção de filmes que dialoga com o cinema popular será exibida na programação da 34ª Mostra:

1. TOCAIA NO ASFALTO, de Roberto Pires, Salvador, 1962
2. O CORINTIANO, de Milton Amaral, São Paulo, 1966
3. AINDA AGARRO ESSA VIZINHA, de Pedro Carlos Rovai, Rio de Janeiro, 1974
4. OS DESCLASSIFICADOS, de Clery Cunha, São Paulo, 1972
5. BONECAS DIABÓLICAS, de Flávio Nogueira, São Paulo, 1975
6. GREGÓRIO 38, de Alex Prado, São Paulo, 1969
7. NA SENDA DO CRIME, de Flaminio Bollini Cerri, São Paulo, 1954

Pela Assessoria de Imprensa da Mostra SP

Article Tags:
Article Categories:
FESTIVAIS

Deixe uma resposta