A garra de Christine Collins – O Making Of de A TROCA

Há alguns anos, o roteirista e jornalista J. Michael Straczynski se deparou com a impressionante história de Christine Collins. “Uma fonte que eu tinha na prefeitura me ligou um dia e disse que estavam queimando documentos antigos e que havia algo que eu tinha que ver antes de ser incinerado”, ele lembra. “Então eu corri para lá, e encontrei a transcrição de uma audiência da prefeitura sobre o caso de Christine Collins. Comecei a ler o depoimento e pensei: ‘Isso não pode ter acontecido de verdade. Deve haver algum engano.’ Foi o suficiente para atrair a minha atenção antes que o registro fosse queimado.” Straczynski pesquisou a história por aproximadamente um ano, mergulhando nos detalhes da jornada de Collins, antes de finalizar o roteiro.

A chocante história baseada em fatos reais chamou a atenção dos produtores vencedores do Oscar por UMA MENTE BRILHANTE Brian Grazer e Ron Howard. “Gostei do tema dA TROCA, e achei a cultura em torno do incidente fascinante, e de certa forma estarrecedora. O fato de ter realmente acontecido dá à história muita profundidade emocional”, opina Grazer.

Sabendo que o diretor/produtor Clint Eastwood tinha um pensamento similar quando se tratava de material baseado em fatos reais, Grazer e Howard ligaram para ele para conversar sobre o roteiro. “Eu o levei comigo numa viagem para Berlim”, lembra Eastwood. “Na volta, eu o li e gostei bastante. Assim que cheguei, liguei para Brian e Ron e disse: ‘É, vou participar.’

Tanto Eastwood como os produtores estavam de acordo que a pessoa perfeita para viver a protagonista do filme, Christine Collins, seria a vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por GAROTA, INTERROMPIDA Angelina Jolie. Mas, apesar da história precisa e de uma equipe de filmagem de primeira linha, Jolie ficou, inicialmente, relutante em assumir o papel de uma mãe cujo filho é seqüestrado.


A hesitação era compreensível, já que ela havia recentemente finalizado o retrato emocionante de Mariane Pearl em O PREÇO DA CORAGEM, a história verdadeira do seqüestro e assassinato do jornalista Daniel Pearl. No entanto, aberta a estudar possibilidades, Jolie resolveu ler o roteiro, e a interpretação de Straczynski da vida de Christine Collins a fez mudar de idéia. “É uma história extraordinária”, diz Jolie. “Eu não conseguia parar de ler. Quando Christine tinha algum contratempo e se levantava de novo, eu pensava: ‘Ótimo, você está de pé novamente!’

Com diretor, produtores e protagonista escolhidos, começou a busca pelos atores que viveriam os personagens do mundo de Christine Collins dos anos 20 e início dos anos 30. Enquanto ela seguia em frente para encontrar o filho, se deparava tanto com apoiadores quanto com caluniadores. Retratado por John Malkovich, o reverendo Briegleb e seu conhecimento da máquina municipal tiveram um papel essencial na busca de Collins.

Sobre o ativismo de Briegleb, Malkovich opina: “É, provavelmente, um exemplo distante do tipo de pressão que a mídia pode fazer. Briegleb tinha um programa de rádio em que fazia discursos e lia sermões. Ele realmente colocou os holofotes sobre a polícia de Los Angeles e no que considerava práticas tenebrosas.”

Com o caso Walter Collins ainda sem solução, uma revelação impressionante de uma investigação paralela viria à tona: a história de um assassino de crianças chamado Gordon Stewart Northcott serviria de palco para uma brincadeira psicológica de gato-e-rato entre Northcott e Christine Collins. Em 1928, o sobrinho de 15 anos de Northcott, Sanford Clark (Eddie Alderson – TRAÍDOS PELO DESTINO), levou a polícia a uma descoberta espantosa no rancho de seu tio próximo a Wineville, Califórnia. Lá, os policiais descobriram vestígios de crianças mortas com um machado. Ao escolher um ator para viver Northcott, Eastwood ficou chocado com a similaridade de aparência entre o assassino e Jason Butler Harner (O VIDENTE; O BOM PASTOR), que ficou com o papel.

Article Tags:
·
Article Categories:
MAKING OF

Comments

  • Assisti ontem este filme e estou ainda emocionada com o sofrimento desta mãe..uma época em que as mulheres e ainda mães solteiras eram quase nada para a sociedade suja de falsos valores..enfim tudo já foi dito amei amei este filme…ficará para sempre no meu coração e peço ao Criador que ela tenha encontrado seu filho quando fez sua passagem.

    ROSANGELA SILVA 23 de março de 2017 14:56 Responder
  • Vi o filme hoje e fiquei muito emocionada.
    Estou aqui a buscar mais informações a respeito da Christine Collins e a querer saber mais a respeito de sua busca.
    Apenas não achei adequada a escolha da atriz para representar a protagonista: a Angelina é muito bonita, mas é muito “caras e bocas”: sua atuação não tem a carga dramática que a personagem exige.
    Enfim…

    Imaculada Vale 31 de dezembro de 2012 21:17 Responder
  • Eu assisti a esse filme e achei muito bonito , mas que pena que o garoto nunca foi encontrado. Será que Cristina morreu e soube mais notícias de seu filho?

    Ivanilda 16 de março de 2012 22:59 Responder
  • esse filme nos dá a dimensão do amor de uma mãe , ela sofreu muito para provar que a policia estava errada , agora uma coisa e certa, ate hoje ainda existe esse tipo de problema quantas crianças somem e nunca mais se ver fala eu imagino o que as famílias nesse momento estão sofrendo por um sumiço de um filho sobrinhos conhecidos as vezes essas crianças somem sem nem saber o porque como não ja vimos amantes que matam por vingança, por egoismo por medo de serem entregues por setenta reais como ocorreu a um tempo traz quando duas meninas fora mortas pelo membro de sua própria família vitimas.

    kelia 31 de julho de 2011 17:39 Responder
  • nossa,o filme é muito perturbador,quando acabou eu rezei,e fiquei me perguntando ,será q existe alguém nas minhas proximidades capaz de fazer isso,eu tenho duas filhas,daí me veio uma clareza,se esse canalha soubesse o q é a dor de um parto,não faria isso,q nossa mãe Maria San-
    tissima toque no coraçao dos homens,pra q parem com tanto requinte de crueldade.

    val 19 de julho de 2011 0:57 Responder
  • nuss é uma historia cruel demais,nao consigo entender como um ser humano pode cometer um crime desse.imagino a mae lembrando do seu filho ao nascer,lemrando do seu filho minutos antes de deixa-lo em ksa pra ir trabalhar,me da uma tristeza,fiquei pensando no filme o dia td…muito triste mesmo,e a esperança dessa mae,dia apos dia com esperanca no coração,nao sei oq é pior!!

    sandra 6 de abril de 2011 12:39 Responder
  • O filme e maravilhoso

    mari 14 de fevereiro de 2011 15:35 Responder
  • Belo filme, principalmente pela atuação de Angelina Jolie, pude observar a luta incessante de uma mãe a procura de seu filho (verdade) e como nós ficamos inertes diante do interesse político e a inoperância da polícia.

    JOSÉ 10 de fevereiro de 2011 10:31 Responder
  • filme muito bom que me levou a pensar sobre tudo que pode estar justo aos olhos de uns e totalmente incorreto aos olhos de outros…Mostra muito bem o amor que uma mae sente por seu filho que nada pode separalos…Amei o elenco muito bem pensado…mas mesmo sendo bom é lamentável pensar que aconteceu mesmo uma história parecida com a do filme…Amei
    ótima produção *-*

    Evelyn 30 de agosto de 2009 21:54 Responder
  • O Filme é ótimo, e fabuloso por ser uma história verídica e não poderia ser uma atriz melhor pra interpretar Christine Collins do que a geande Angelina Jolie. Amei *-*

    Andressa Ges. 27 de agosto de 2009 20:29 Responder
  • Também fiquei muito triste ao descobrir que no final ficamos sem saber o que aconteceu depois. Se Cristine encontrou o filho…afinal, alguém tem alguma notícia? Ela bem que merecia, pois conseguiu que as mulheres do manicômio fossem justiçadas e que mudassem algumas leis com relação a isso. Precisamos de uma resposta.

    Rosa Mileo 24 de agosto de 2009 12:18 Responder
  • Filme lindissimo akbei d assistir, gostei tanto q estou procurando mais coisas sobre o caso…
    Amei…
    ?

    Larissa Cecilia 17 de agosto de 2009 20:34 Responder
  • eu adorei o filme e acho que christine collins foi uma mulher que lutou parab encontrar seu filhinho amado, pelo que pesquisei acho que essa mulher nunca encontrou seu filhinho. tenho muito tristeza por saber que essa mulher morreu sem saber o q aconteceu com seu walter collins.

    juliana 3 de agosto de 2009 22:38 Responder
  • Adorei esse filme pois, como gosto muito da atriz Angelina Jolie, ja vi varios filmes dela, assisti o dvd A TROCA.
    Para quem é mãe, sentiu a mesma agonia na perca de seu filho, como ela interpretou seus sentimentos nesse papel, e transmitiu exatamente esse amor e que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. Lutando a cada dia, enfrentando varias dificuldades, politicamente, e antigamente o povo se manisfetava mais pela a emoção de ver a mãe sofrendo e lutando pelo seu filho. hj é complicado ter esse tipo de sentimento. e principalmente em ajudar o proximo..

    ADRIANA 17 de julho de 2009 12:15 Responder
  • Como mãe naõ pude deixar de me colocar no lugar dessa guerreira, extrememente bem interpretada pela bela e talentosa, Angelina Jolie. A possibilidade de retornar do trabalho e não mais ver o filho é de atormentar qualquer mãe, ainda mais na corrupta L.A. dos anos 20. A história é chocante até mesmo para os dias de hoje, parabéns à todos que estiveram envolvidos com essa outra grande produção de Clint Eastwood. SIMPLESMENTE EXCELENTE.

    Isabel Cristina 7 de julho de 2009 10:30 Responder
  • O filme é fantástico!Angelina Jolie está perfeita no papel, merece mesmo ganhar um oscar por ele!O filme choca mais pelo fato de ser baseado em uma história real, é muita crueldade o que foi feito com as crianças e a frieza e sarcasmo do assassino é impressionante, mais ainda a força e esperança da mãe Christine.Nota mil!

    Yasnaia Kaliana 1 de julho de 2009 18:13 Responder
  • O filme é veridico e muito interessante, muito comovente, mais deixa um pulga atraz da orelha, quando encontraram um dos meninos q haviam sumido, ele falou que havia conhecido o walter collin e tinha sido preso com ele naquele seleiro, e fugiram juntos, então porque a cristhine collin não mandou investigar com o sobrinho do assasino se ele não lembrava da fulga dos garotos e se ele e o assasino conseguiram pegar o walter collin de volta. Provavelmente ele devia lembra da fulga ja q ele conseguiu indentificar cada menino pelas fotos. isso ficou sem explicação, é como se o autor do filme não tivesse dados o sufuciente da historia…é minha opinião, mais apesar disso gostei do filme. e pra quem gostou de “A TROCA”, assistam “O CURIOSO CASO DE BEJAMIM BUNNTTOM” ele é ótimo.

    sarah 30 de junho de 2009 14:21 Responder
  • é um filme muito inteligente que meche con o sentimentos de uma mãe e do filho dela + eu tenho uma curiosidade tudo q ue se passa no film,e é real ????

    ruy 24 de junho de 2009 16:46 Responder
  • História emocionante mesmo, como é capaz de existir seres humanos com tantas maudades no coração, fazer mau a inocentes, ainda mais crianças é ser realmente um mostro. Filme vencedor, e mulher guerreira, pena que foi uma triste realidade. Espero que cristinne e walter, esteja ao sempre lado de Deus.

    Monalise Oliveira 22 de junho de 2009 21:15 Responder
  • É um ótimo filme. Jolie tem uma interpretação fabulosa. Mas, afinal, Christine Collins um dia encontrou o filho ou não? Ela ainda é viva ou já morreu?

    Joaquim da Matta 16 de junho de 2009 9:26 Responder
  • Assisti o filme e fiquei chocada, comovida e também intrigada. pois gostaria de saber, já que o filme relata o período de 1928 a 1935, se após aquela data, ou seja, mais de 70 anos passados, surgiu algum fato que tenha acalentado o coração daquela mãe, marcada por uma tragédia tão grande quanto a determinação do seu amor.

    Valéria 9 de junho de 2009 13:51 Responder
  • Adorei este filme. Assisti esses dias no colégio. É bem emocionante, ainda mais sendo baseado em fatos reais e ela não o encontrando mais. O triste é saber que acontece isso até nos dias de hoje pricipalmente, quando muitos pais deixam seus filhos em casa sem saber a noção do perigo

    bruna 3 de junho de 2009 19:31 Responder
  • Eu edson gostaria de saber o resutado. sim Christine Cllins coseguil na realidade encontra seu filho

    Edson jesus da silva 2 de junho de 2009 16:37 Responder
  • É maravilhoso ver uma pessoa dar valor a uma vida, como Chirtine deu, na procura do filho.

    RIVALDO COUTINHO 27 de maio de 2009 9:30 Responder
  • Assistir o filme , gostei muito , sou pai de 3 crianças e nem imagino o que sou capaz por elas , dou minha vida . Sou capaz de tudo , no filme , quando assistia , nem imagino o que seria capaz de fazer , infelizmente já aconteceu tantas coisas ruins na vida . Mais o que posso dizer que só ntem uma explicação pra tudo que acontece na vida , DEUS tem um propósito pra tudo , é a unica explicação na vida da gente . na história pra ter um desfecho total , era só interrogar o sobrinho de Gordon Stewart Northcott , Sanford Clark , já que na fuga de Walter Collins , foram os dois que perseguiram Walter Collins e o outro menino raptado , já que o sobrinho , estava disposto a colaborar com a investigação, acho que ele , diria a verdade . FIQUEI IMPRESSIONADO COM A HISTÓRIA .

    GILZEPP - SALGUEIRO-PE 26 de maio de 2009 8:22 Responder
  • eu assisti hoje e me apaixonei pelo filme e lindo como uma mãe luta pelo filho e pra provar que ele esta vivo e impressionante depois desse filme posso olhar pra mim mesma e dizer (eu quero ser mãe) angelina jolie prova mais uma vez que e uma das maiores atrizes da história junto com um elenco que nossa sem comentários…….mais uma da cenas que me tocou foi a morte do asassino do filho dela ele cantando então e natal foi encrivel.

    adrielle 25 de maio de 2009 23:39 Responder
  • Eu amei esse filme. Uma história realmente comovente. Se começar a assistir, você não consegue mais tirar a atenção dele. Simplesmente um exemplo de mãe ela. bjs

    Maiza Mara 8 de maio de 2009 18:02 Responder
  • Estou impressionada com o filme, fiquei bastante emocionada, o elenco é maravilhoso e a Jolie como Christine, foi exelente!
    estão de parabéns! Ótimo filme!!!

    Annie 5 de maio de 2009 22:46 Responder
  • Emocionante, sem palavras…como disseram: “preferia que fosse apenas um filme.” No filme também mostra que mesmo dentro de um cerco de corrupção e maldade, há sempre as excessões como o detetive que acreditou em Stanford e procurou vestígios dos meninos…são poucas pessoas assim, mas são de grande valor. (:

    andrei 5 de maio de 2009 22:35 Responder
  • De fato uma historia emocionante mas queria ve la encontar o filho, mas nao aconteceu na realidade como e baseado em fatos reais nao poderia ser diferente como pode existir um monstro capaz de fazer mal assim a tantos seres inocentes e chorei muito assistindo este filme, mas parabens a todos e brilhante este filme, historia, preferia que fosse apenas um filme.

    Thatiane 29 de março de 2009 12:35 Responder
  • É UM FILME BRILHANTE!
    ASSISTI ESSE FIM DE SEMANA E TROUXE A MIM GRANDE EMOÇAO E INSENTIVO DE QUE NAO DEVEMOS DESISTIR DOS NOSSOS SONHOS MESMO QUE AS CIRCUNSTANCIAS DIGAM O CONTRARIO!
    A ESCOLHA DA ATRIZ TAMBEM FOI FANTASTICA!
    PARABENS!!!!!!!!
    DEUS ABENÇOE HOJE E SEMPRE!

    ilda 22 de fevereiro de 2009 19:10 Responder
  • Não há nada tão dramático como a realidade. Clint Eastwood nos conduz como camêra-man num documentário quando assistimos ao filme “A Troca”, pois compartilhamos das terríveis e imprescíndiveis emoções da história. Assim como a vida requer ser vivida, não podemos fugir de assistir “A Troca”, ainda que as sensações incomodem. Não fuja. Nâo perca. Assista! Logo.

    Ivan S Ruppell Jr 21 de janeiro de 2009 6:05 Responder
  • O filme é maravilhoso. O tempo todo o filme mostra a força que a mãe tem para encontrar o seu filho e jamais perde a esperança. Ela é magnífica, luta e nunca desista de encontrar o seu único filho.

    Ilzevainy Zanin 20 de janeiro de 2009 15:34 Responder

Deixe uma resposta