Porque Linha de Passe não vai ao Oscar 2009…

“Participar da campanha pelo Oscar de melhor filme estrangeiro é um processo mais complexo do que parece. Já percorri essa estrada e sei que sem uma dedicação de vários meses, as chances de um filme selecionado por um país chegar à final e possivelmente ganhar são escassas.

Fazer parte da Mostra Competitiva dos mais importantes festivais do mundo é um processo altamente seletivo, que oferece um retrato amplo do cinema independente mundial e se encerra em poucas semanas. A corrida para o Oscar, ao contrário, não se decide em um único evento e sim em etapas sucessivas. É como a diferença entre uma corrida de 400 metros e uma maratona – só que com barreiras…

Uma campanha realmente competitiva para o Oscar começa nos prêmios que são outorgados no final do segundo semestre pelo National Board of Review, a mais antiga associação de críticos dos Estados Unidos, e continua com os prêmios da crítica especializada das maiores cidades daquele país. Para cada um desses eventos, é necessário apresentar o filme, realizar debates, fazer dezenas de entrevistas desde meados do segundo semestre.

Em anos especialmente disputados, lançar o filme nos Estados Unidos até outubro ou novembro é um trunfo importante. Quando CENTRAL DO BRASIL ganhou o prêmio de melhor filme estrangeiro do National Board of Review em dezembro de 1998 e depois o Globo de Ouro, já tínhamos lançado o filme nos Estados Unidos e realizado dezenas de debates através do país. Roberto Begnini, que ganhou o Oscar em março de 1999, lançou o seu filme ainda mais cedo, mudou-se para Los Angeles e passou vários meses em campanha.

LINHA DE PASSE foi realizado sem incentivos fiscais, graças ao financiamento de uma companhia especializada em viabilizar filmes independentes e à pré-compra feita por vários distribuidores independentes europeus. Esses distribuidores que acreditaram no filme antes dele existir estão lançando o “Linha” nos próximos meses em seus países. Para ajudar esses lançamentos, me comprometi a estar presente de setembro a janeiro em festivais e debates na Inglaterra, Bélgica, Grécia, Dinamarca, França, Itália, etc. Para se ter uma idéia, só nessa semana, temos debates no National Film Theater em Londres, apresentações na London University e em outras universidades, projeções para membros do Bafta e mais de cem entrevistas com a mídia inglesa.

Não há possibilidade de se fazer um trabalho de fundo em duas frentes ao mesmo tempo. Daniela Thomas e eu conversamos longamente sobre isso e, como ela deverá estar filmando um novo projeto em outubro e novembro, não teremos como dividir as atenções até o final do ano.

Para fazer algo pela metade, é melhor não fazer. Se tivéssemos inscrito LINHA DE PASSE e ganhado a indicação do Brasil, não teríamos como representar o país com a responsabilidade que se faz necessária. Agradecemos a todos que torcem pelo filme e desejamos o melhor ao longa brasileiro que for escolhido pela comissão”.

Walter Salles

Article Tags:
Article Categories:
AWARDS

Comments

  • Caso Linha de Passe fosse ao Oscar,a disputa ficaria acirradíssima com Gomorra e Leonera.

    Não me espantaria nem um pouco caso Walter Salles recebesse uma indicação como Diretor.

    Como acho ruim o filme do Barreto, vou torcer por Leonera,pois há tempos o cinema argentino vem merecendo Oscar na categoria.

    Gostaria de saber se há possibilidades de Linha de Passe representar o Brasil em 2009.

    adérico publio 7 de janeiro de 2009 19:21 Responder
  • linha de passe é um filme muito bom. eu queria entender a seleção de última parada 174. aquele filme representa o que há de mais ruim no cinema brasileiro.

    john fletcher 4 de janeiro de 2009 4:17 Responder
  • Pena que LINHA não seja nosso representante, mas as razões deles são perfeitamente aceitáveis. Boa sorte ao filme de Bruno Barreto.

    Gustavo H.R. 20 de setembro de 2008 23:25 Responder
  • Agora sim está muito bem explicado o fato de “Linha de Passe” não fazer parte de nossa seleção para o Oscar, mesmo sabendo que seria o filme com mais chances mesmo não contando com uma boa campanha. Muito honesto por parte do Walter Salles como a Kamila disse…

    Vinícius P. 18 de setembro de 2008 19:01 Responder
  • Achei honesto por parte do Walter Salles ter publicado esta carta explicando o por quê da ausência de “Linha de Passe” da lista de pré-finalistas na luta por uma indicação ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. A gente sabe que, para um filme ter chances na premiação, tem mesmo que se dedicar à campanha e ao trabalho de divulgação. É mais de um mês nesta batalha e, se o Walter e a Daniella não podem se dedicar a isto, que venha outro filme, então, como foi o caso de “Última Parada 174″.

    Kamila 18 de setembro de 2008 16:24 Responder

Deixe uma resposta