Às Palmas

Penúltimo dos 22 filmes em competição pela Palma de Ouro a ser exibido no 61º Festival de Cannes, o vencedor ENTRE LES MURS/THE CLASS, do francês Laurent Cantet, arrebatou os jurados. “Ele tem tudo o que você quer de um filme”, disse o ator e cineasta norte-americano Sean Penn, presidente do júri.

“É um desses raros filmes em que o alto cinema pode tocar a todas as pessoas”, disse o diretor mexicano Alfonso Cuarón. “Foi a nossa paixão. Ele vai além do tema da escola, do tema da periferia e põe a verdadeira questão, que é a democracia”, afirmou a quadrinista e diretora franco-iraniana Marjane Satrapi.

O impacto no público do festival também foi notório. Reconhecidos na rua, Cantet e sua equipe foram espontaneamente aplaudidos ontem, quando seguiam rumo ao Palácio dos Festivais. Diante da ovação intensa que seguiu ao anúncio da Palma de Ouro, o diretor premiado e o presidente do júri se esforçavam para conter as lágrimas.

“O filme que queríamos fazer deveria ser múltiplo, complexo e com fricções, tal como a sociedade francesa. Espero não ter errado”, disse Cantet. Com a decisão -unânime, segundo Penn- de premiar esse quarto filme de Cantet (A AGENDA, EM DIREÇÃO AO SUL), que competiu pela primeira vez em Cannes, a França quebrou um jejum de duas décadas sem vencer a Palma de Ouro -desde SOB O SOL DE SATÃ (1987), de Maurice Pialat.

ENTRE LES MURS é baseado no livro homônimo de François Bégaudeau sobre sua experiência como professor numa escola da periferia de Paris. Os alunos, invariavelmente pobres, são filhos de imigrantes de diversas etnias, cujas línguas maternas vão do mandarim aos idiomas africanos. Nas aulas de francês, os conflitos envolvendo o aprendizado -e também a identidade, a cidadania, a ética, as regras, os julgamentos, a culpa, o castigo- brotam a toda hora entre professor e turma. É o próprio Bégaudeau quem interpreta o papel do educador, ou seja, o dele mesmo.

Uma premiação de teor político era o que se esperava do júri presidido por Sean Penn, notório por seu engajamento. E foi o que ocorreu. Além da Palma de Ouro para um filme no qual confluem vidas privadas e política pública, o júri deu o Grande Prêmio (espécie de segundo lugar) ao italiano GOMORRA, de Matteo Garrone, que desvenda os mecanismos da máfia napolitana. O jornalista Roberto Saviano, autor do livro no qual o filme se baseia, foi ameaçado de morte após a publicação.

Lembrado com o Prêmio do Júri, o italiano IL DIVO (O ILUSTRE), de Paolo Sorrentino, expõe os meandros da política de seu país nas últimas décadas, com um perfil impiedoso do ex-premiê Giulio Andreotti.

CHE, que foi produzido com dinheiro europeu, já que o projeto -de US$ 60 milhões (R$ 98,9 milhões)- não atraiu investidores americanos, teve o prêmio para o intérprete do papel-título, Benicio del Toro.
O troféu de roteiro dado aos irmãos Luc e Jean-Pierre Dardenne por LE SILENCE DE LORNA reconheceu uma história sobre o submundo de imigrantes ilegais na União Européia.

O melhor diretor foi Nuri Bilge Ceylan (TRÊS MACACOS), da Turquia, ainda não-admitida na União Européia, que disse: “Quero dedicar esse prêmio ao meu belo e solitário país, que eu amo apaixonadamente”.

Os Vencedores de Cannes 2008:

Palma de Ouro
ENTRE LES MURS
Laurent Cantet (FRANÇA)

Grande Prêmio
GOMORRA
Matteo Garrone (ITÁLIA)

Melhor Diretor
Nuri Bilge Ceylan
por TRÊS MACACOS (TURQUIA)

Prêmio do Júri
IL DIVO
Paolo Sorrentino (ITÁLIA)

Melhor Atriz
Sandra Corveloni
por LINHA DE PASSE (BRASIL)

Melhor Ator
Benício Del Toro
por CHE (EUA)

Melhor Roteiro
LE SILENCE DE LORNA
de Luc & Jean-Pierre Dardenne (BÉLGICA)

Por Silvana Arantes – Folha de São Paulo

Article Tags:
· ·
Article Categories:
FESTIVAIS

Comments

  • No geral gostei muito da premiação. A França já merecia esse prêmio após muitos anos sem vencer e “Entre les Murs” parece ser um excelente filme. “Gomorra” e “Il Divo” mostram a força do cinema italiano após as críticas dos últimos anos. E, claro, os prêmios de interpretação foram mais que justos. E parabéns pela cobertura do Festival, novamente a melhor do Brasil! ;-)

    Vinícius P. 27 de maio de 2008 14:14 Responder

Deixe uma resposta