Sorry Sir, There won´t be blood

Saiu a lista da NBR, um dos mais importantes precurssores da temporada de prêmios. E o resultado? Ano fortíssimo, disputa acirrada e muito filme esnobado: JOGOS DO PODER de Michael Nichols? Esnobado! O GANGSTER de Ridley Scott? Esnobado! THERE WILL BE BLOOD de P.T.Anderson? Esnobado também!

E pior: Não teve nenhum “Borat” esse ano. Todos os filmes citados são realmente bons e louváveis, o que significa que teremos uma das temporadas mais disputadas de todos os tempos e, principalmente, em alto nível (Ao contrário do ano passado, nivelado por baixo).

A consequência disso? Pulverização e concessões ou em termos gerais nada de sangue. Pelo contrário, será um acordo de cavalheiros, cada um com um prêmio e todos felizes na foto!

ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ é o melhor filme do ano. Foi o melhor roteiro adaptado e teve o melhor elenco, mas não ator coadjuvante para um dos melhores vilões do cinema. Talvez tenha sido uma decisão política, pois realmente o elenco está afiado e não havia prêmio para todo mundo, mas convenhamos, foi uma baita injustiça com Javier Bardem. Sorte de Casey Affleck que levou o prêmio e revitalizou suas chances.

Aliás a família Affleck deve estar sorrindo de orelha a orelha. Ben Affleck foi o melhor diretor de estréia com MEDO DA VERDADE (Uma baita surpresa) e ainda teve Amy Ryan, citada como Atriz Coadjuvante. E aqui paira realmente a maior surpresa da história! Cate “Dylan” Blanchett perdeu como coadjuvante e atriz principal. Ou seja, o boato não foi desmentido, os votos se dividiram e ela perdeu em ambas as categorias. Um erro hediondo de marketing e FYC mal feito.

Também foi um ótimo dia para a Miramax 2.0, com melhor filme, melhor estrangeiro (O ESCAFANDRO E A BORBOLETA), além dos prêmios de MEDO DA VERDADE.

Julie Christie foi confirmada como melhor atriz e Ellen Page como atriz de estréia. Cottilard, favorita, ficou de fora. Assim como Daniel Day-Lewis, substituido por George Clooney por CONDUTA DE RISCO. Um filme bem cotado, mas pouco comentado. E Tim Burton emplacou como melhor diretor do ano e ainda uma vaga entre os dez melhores filmes do ano. Lembrando que seu filme foi exibido em sessão fechada a apenas 5 dias. Ou seja, a repercussão avassaladora do filme foi suficiente para premia-lo em duas categorias. E aqui, também houve política, já que os irmãos Coen mereciam levar o prêmio de direção também.

Enfim, a lista do NBR que deveria clarear um pouco as perspectivas, embolou mais ainda a disputa.

Article Tags:
Article Categories:
AWARDS

Comments

  • Achei bem estranha essa ausência de “There Will Be Blood”! Tomara que o filme tenha maior sorte nos prêmios que estão por vir. Gostei muito da vitória dos Coen, realmente merecida (ainda que não tenha visto o filme). Das escolhas, estou bem ansioso para conferir “Medo da Verdade” e “Conduta de Risco”.

    Vinícius P. 6 de dezembro de 2007 23:55 Responder

Deixe uma resposta